Campo Grande, Segunda-Feira , 11 de Dezembro - 2017


Email: marcoeusebio@marcoeusebio.com.br

Posts com a tag: wesley-batista

Trecho da delação de Funaro à PGR e Joesley Batista com Michel Temer durante inauguração da Eldorado em Três Lagoas

Postado por Marco Eusébio , 19 Outubro 2017 às 13:30 - em: Principal

Michel Temer veio à inauguração da Eldorado celulose, em Três Lagoas (MS), em dezembro de 2012, como presidente em exercício, para prestigiar o evento da holdingJ&F dos irmãos Joesley e Wesley Batista "em sinal de agradecimento" por propina recebida do grupo, disse em delação premiada o doleiro Lúcio Funaro, que também esteve presente ao evento (leia aqui "O doleiro e o teco-teco em Três Lagoas). Funaro contou à Procuradoria-Geral da República (PGR), em 24 de agosto deste ano, que, além de Temer, o então presidente da Câmara, Eduardo Cunha, e o ex-ministro Henrique Eduardo Alves (todos do PMDB) levaram 3,2% de cerca de R$ 32 milhões obtidos por empréstimo pela Eldorado da Caixa Econômica Federal. Funaro disse ainda que a propina foi paga a ele por meio de emissão de notas fiscais frias e que, em seguida, teria repassado o dinheiro para Cunha, "que ficou responsável por distribuir o montante entre Henrique Alves e Michel Temer". (Com CampoGrandeNews)




Wesley e Joesley Batista: os 'reis da carne' agora estão em prisão preventiva, sem prazo para terminar

Postado por Marco Eusébio , 13 Setembro 2017 às 11:00 - em: Principal

A Polícia Federal prendeu Wesley Batista hoje em São Paulo na Operação Acerto de Contas cumprindo ordens de prisão preventiva – sem prazo para terminar – da Justiça Federal de SP contra ele e seu irmão Joesley Batista, que já está preso preventivamente em Brasília e esperava sair na quinta-feira. Os irmãos Batista são acusados de lucrar uma fortuna vendendo R$ 327 milhões em ações da JBS antes que o valor caísse e comprando cerca de US$ 1 bilhão antes que o preço do dólar subisse por causa do abalo que iria ocorrer no mercado com a delação premiada que executivos do J&F iriam fazer à Justiça. Apesar de tanto dinheiro, os irmãos Batista, que não têm curso superior, não compraram diplomas, e devem ficar em celas comuns se forem transferidos para um presídiio.




Azambuja fala com a imprensa durante ato de entregas de medalhas da Polícia Militar de MS pelos 182 anos da corporação

Postado por Marco Eusébio , 05 Setembro 2017 às 14:15 - em: Principal

Ao comentar a decisão de Rodrigo Janot de revisar a delação da JBS por indícios de omissão de informações e ameaçar retirar benefícios concedidos aos irmãos Joesley e Wesley Batista no acordo com a PGR, o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) declarou hoje que isso "mostra aquilo que nós sempre falamos, que a verdade prevalece à mentira". A afirmação foi feita à imprensa, ao participar da entrega de medalhas da PM pelos 182 anos da corporação, quando foi instado a falar sobre o assunto, por ter sido citado pelos irmãos Batista que acusaram governantes estaduais, desde a época de Zeca do PT, de cobrar propina para conceder incentivos fiscais aos frigoríficos do grupo em MS. O governador voltou a dizer que a delação tem sido usada por pessoas para se livrar da punição por crimes cometidos, e que se deve dar direito à defesa ao contraditório, antes de se condenar qualque pessoa.




Janot afirmou que revisão do acordo pode implicar em perda total dos benefícios concedidos a Joesley e Wesley Batista

Postado por Marco Eusébio , 04 Setembro 2017 às 18:45 - em: Principal

Rodrigo Janot anunciou hoje que mandou investigar indícios de omissão de informações na delação de três executivos da J&F, controladora da JBS, e disse que benefícios concedidos aos irmãos Joesley e Wesley Batista no acordo podem ser cancelados, sem anular as provas já produzidas em investigações. O procurador-geral da República disse que MP obteve áudio com conteúdo "gravíssimo", em que Joesley conversa com Ricardo Saud, diretor da J&F, também delator, com referências à "agentes da Procuradoria Geral da República" e do "Supremo". 
 
Um desses agentes seria o ex-procurador Marcelo Müller, que deixou a PGR para advogar em escritório que negociou acordo da JBS. A conversa dá a entender que ele estaria auxiliando na confecção de propostas de colaboração para serem fechadas com a PGR, conduta que, em tese, configuraria crime e ato de improbidade administrativa. "Ao longo de três anos, Marcelo foi auxiliar do procurador-geral, procurado por suas qualidades técnicas. Se descumpriu a lei no exercício das funções, deverá pagar por isso", frisou Janot.



Fábrica da Eldorado Celulose em Três Lagoas agora é da empresa holandesa Paper Excellence

Postado por Marco Eusébio , 02 Setembro 2017 às 13:30 - em: Principal

A J&F, controladora da JBS, anunciou neste sábado a venda da Eldorado Celulose sediada em Três Lagoas (MS) à empresa holandesa Paper Excellence por R$ 15 bilhões numa operação que deve ser concluída em doze meses. Em comunicado, a Paper Excellence afirmou que mantém a estratégia de expandir sua operação e que "sempre teve o Brasil no radar por ser um país com uma posição diferenciada no cenário global de produção do setor". A Eldorado produz cerca de 1,7 milhão de toneladas de celulose de eucalipto por ano e, depois da Alpargatas (R$ 3,5 bilhões) e da Vigor (R$ 5,7 bilhões), é a terceira empresa vendida pela holding J&F só neste ano, após o escândalo envolvendo os irmãos Batista.




Cid, citado na delação da JBS, e o falante irmão Ciro, que anda 'pianinho' sobre as falas dos irmãos Batista

Postado por Marco Eusébio , 23 Maio 2017 às 17:15 - em: Principal

Do Lauro Jardim no blog Radar da Veja:
 
"O loquaz Ciro Gomes anda calado. A delação da JBS o atingiu. Senão diretamente, de raspão: Joseley revelou ter dado propina para Cid Gomes."



'A decolagem desse aviãozinho da alegria indignou muita gente', disse Marun sobre a ida de Joesley para os EUA

Um dos principais aliados do presidente Michel Temer no Congresso, o deputado federal Carlos Marun (PMDB-MS) está propondo a criação de uma comissão parlamentar de inquérito para investigar o acordo de delação premiada feito pelos donos da JBS, os irmãos Joesley e Wesley Batista. "Estamos nos baseando em matéria do jornal O Globo e da Folha de S.Paulo que disseram que esse acordo de delação tem uma benevolência inédita na história da vida jurídica brasileira" disse Marun. Em nota que acaba de enviar ao Blog, o deputado, que iria começar a colher assinaturas hoje para a CPI, afirma: 

"Decidi, no lugar de fazer correr uma lista de assinaturas para a CPI do JBS, me asociar ao requerimento de CPI Mista do deputado Baldi e do senador Ataíde sobre o mesmo tema (relação da JBS com o BNDES e o acordo de delação premiadíssimo). Penso que assim o objetivo de esclarecermos a sociedade a respeito desta questão e, eventualmente, propormos punições e anulações de atos jurídicos, poderá ser também cumprido".

"A decolagem deste aviãozinho da alegria indignou muita gente", justificou Marun, em referência à viagem de Joesley Batista para os EUA. As comissões de Finanças e de Controle e Tributação da Câmara também devem convocar o presidente da Comissão de Valores Mobiliários, que investiga o ganho de milhões de dólares dos irmãos Batista com venda de ações e compra de dólares antes da divulgação da delação, e o da bolsa de valores, a Bovespa, para repercutir os impactos no mercado financeiro. "Queremos saber quem ganhou e quem perdeu nessa história", disse Marun.

(Texto alterado às 11h45 para inclusão da nota enviada por Carlos Marun)




Azambuja chegou a chorar na coletiva e afirmou ir 'até o fim' para provar que delação contra ele 'é mentira'

Postado por Marco Eusébio , 22 Maio 2017 às 18:30 - em: Principal

Ao declarar hoje em coletiva à imprensa que vai "até o fim" para provar que as acusações dos delatores da JBS contra ele são mentira, o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) terá de correr contra o tempo. Nas eleições do ano que vem ele deve disputar a reeleição e seus adversários políticos, de olho no governo, já estão usando a delação contra ele.
 
Diante de especulações, a coletiva foi convocada para falar sobre a delação premiada de Wesley Batista, da JBS, que acusou ele e os ex-governadores Zeca do PT, André Puccinelli (PMDB) de cobrarem quantias milionárias "por fora" para conceder isenções fiscais aos frigoríficos do grupo em Mato Grosso do Sul. Conforme a denúncia, o tucano teria levado R$ 45.631.696,03. 
 
Azambuja lembrou que foi considerado o candidato ao governo mais rico do País, por seu patrimônio de R$ 38,7 milhões em bens declarados à Justiça Eleitoral em 2014. Disse que já foi acusado de enriquecimento ilícito e as denúncias acabaram arquivadas. E chorou ao dizer: "Tudo que eu tenho foi constituído pela minha família, meu avô, meu pai e pela família da minha esposa. Meu patrimônio é resultado do trabalho de pessoas honestas. Não foi tirando nada de ninguém".
 
Reinaldo admitiu encontros com diretores da JBS, inclusive Joesley Batista, como governador, para tratar sobre "investimentos no estado", e, como pecuarista, disse que vendeu gado ao frigorífico em transações legais comprovadas por meio de notas fiscais e GTAs (guias de trânsito animal) a serem apresentadas à Justiça. Frisou que, como governador, reduziu incentivos fiscais concedidos à JBS quase quadruplicando a carga de ICMS paga pelo grupo no estado de R$ 40 milhões em 2014 para mais de R$ 140 milhões neste ano. "Pode ter sido retaliação porque nós não renovamos muitos termos de acordo, não sei o que foi. Acho que foi porque eles tinham que entregar alguém", afirmou.



Azambuja vai receber jornalistas hoje na Governadoria para falar sobre denúncias de Wesley Batista

Postado por Marco Eusébio , 22 Maio 2017 às 11:00 - em: Principal

O governador Reinaldo Azambuja (PSDB) convocou hoje a imprensa para falar sobre as declarações do empresário Wesley Batista, do JBS, que em delação à Lava Jato, denunciou suposto esquema de propina paga a governantes de Mato Grosso do Sul para obter benefícios fiscais iniciado na época de Zeca do PT, mantido na de André Puccinelli (PMDB) e chegado à sua gestão. A coletiva será a partir das 16h na Governadoria. Reinaldo tem afirmando concessões fiscais em sua gestão foram feitas visando atrair empresas e a geração de empregos.




Diretoria da OAB-MS vai protocolar pedido ao Supremo na segunda-feira

Postado por Marco Eusébio , 20 Maio 2017 às 13:45 - em: Principal

Um dia depois da quebra de sigilo e divulgação de vídeo de depoimento de Wesley Batista à Lava Jato, revelando pagamento de propina a governadores de Mato Grosso do Sul para obter benefícios fiscais aos frigoríficos JBS no estado, num esquema que teria sido iniciado na gestão do ex-governador Zeca do PT, mantido nos mandatos de André Puccinelli (PMDB) e chegado à gestão do atual governador Reinaldo Azambuja (PSDB), a Seccional estadual da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-MS) anunciou hoje que vai pedir oficialmente ao relator da Lava Jato no Supremo, ministro Edson Fachin, acesso integral aos documentos oficiais dos processos relativos ao Estado. O pedido será protocolado na próxima segunda-feira no Supremo, diz a diretoria da OAB-MS em nota divulgada neste sábado (leia aqui a íntegra) frisando que a instituição "reitera seu compromisso irrestrito de defender a Constituição e a ordem jurídica, tomando todas as medidas necessárias para atingir suas finalidades institucionais".