Campo Grande, Domingo , 25 de Fevereiro - 2018


Email: marcoeusebio@marcoeusebio.com.br

Posts com a tag: senai

Posto de atendimento montado pela Justiça Eleitoral em sala do Senai vai atender eleitores até a próxima sexta-feira

Postado por Marco Eusébio , 29 Janeiro 2018 às 15:50 - em: Principal

A Justiça Eleitoral, em acordo com a Fiems, prorrogou por mais esta semana o cadastramento biométrico de eleitores no posto montado no Senai de Campo Grande, que atendeu 630 pessoas na semana anterior. Retomado hoje, o atendimento continuará até a próxima sexta-feira, das 9 às 17 horas. Para se cadastrar, a pessoa deve levar RG ou outro documento de identificação com foto, e comprovante de residência (conta de água ou luz dos últimos três meses). Homens de 18 anos acima que vão tirar o título pela primeira vez devem também apresentar comprovante de quitação do serviço militar, com cópia. O Senai fica anexo à Casa da Indústria, com entrada pela Rua Engenheiro Roberto Mange, no Bairro Amambaí. O cadastro, obrigatório na Capital, será encerrado na cidade no dia 18 de março pelo TRE-MS.




O presidente da Fiems, Sérgio Longen, fazendo cadastramento biométrico em guichê no Senai de Campo Grande

Postado por Marco Eusébio , 24 Janeiro 2018 às 14:30 - em: Principal

Até sexta-feira um posto de cadastramento biométrico da Justiça Eleitoral está funcionando em uma sala do Senai de Campo Grande. Fiz meu cadastro hoje, praticamente sem enfrentar fila. O atendimento no local foi iniciado na segunda-feira por meio de acordo do presidente da Fiems, Sérgio Longente, e da presidente do TRE-MS, desembargadora Tânia Garcia Borges. No local, três guichês atendem por ordem de chegada, das 8 às 17h, sem intervalo de almoço. Para fazer o cadastro, que é obrigatório para eleitores de Campo Grande, o eleitor deve levar via original de um documento oficial de identificação com foto, como o RG, e comprovante de residência atualizado. O Senai funciona anexo à sede da Fiems com entrada pela Rua Roberto Mange.




Sedes suntuosas em MS como acontece com o chamado Sistema S em todo o Brasil: tudo bancado pelo trabalhador

Postado por Marco Eusébio , 16 Julho 2017 às 12:00 - em: Principal

Se o imposto sindical que criou trampolins políticos e enriquecimento de alguns está chegando ao fim com a reforma trabalhista, o sindicalismo dos patrões continua engordando às custas do trabalhador brasileiro. A arrecadação direta do Sistema S cresce a cada ano. Em 2016, o valor recolhido pelas empresas para sem passar pela Receita chegou a R$ 4,2 bilhões – contra R$ 3,8 bilhões por meio do fisco, reporta neste domingo da Folha de S.Paulo.
 
O Sesi e o Senai, dois dos principais "S" do sistema, recolhem contribuição compulsória diretamente dos filiados, que varia de 0,2% a 2,5% sobre a remuneração paga aos empregados, conforme o setor. Essa rica fonte, que não foi extinta na reforma trabalhista como o imposto sindical, gera questionamento pelo aspecto legal e transparência, pois dificulta o controle dos recursos. Os chamados serviços sociais autônomos, não têm fins lucrativos. Suas verbas são semipúblicas – têm de ser aplicadas em favor da sociedade. Mas não são incluídas no Orçamento federal.
 
A fiscalização do uso desse dinheiro cabe ao Tribunal de Contas da União e à Controladoria-Geral da União. Mas os próprios órgãos relatam dificuldades para fazer esse trabalho, informa a Folha. As entidades defendem a necessidade dos recursos e a competência do Sesi e do Senai de arrecadar os tributos diretamente e qualificar os trabalhadores.