Campo Grande, Sexta-Feira , 20 de Outubro - 2017


Email: marcoeusebio@marcoeusebio.com.br

Posts com a tag: rodrigo-janot

Dilma e Janot seriam eleitos hoje para as duas vagas de Minas ao Senado, diz Paraná Pesquisas

Postado por Marco Eusébio , 12 Outubro 2017 às 16:30 - em: Principal


Entrevista de Eduardo Cunha à Época repercute no Twitter após postagem do editor-chefe da revista Diego Escosteguy

Postado por Marco Eusébio , 30 Setembro 2017 às 11:45 - em: Principal

Na primeira entrevista desde que foi preso há quase um ano, o ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) diz à revista Época que está negociando delação com a Procuradoria Geral da República sob comando de Rachel Dodge e afirma que não aceitou fechar acordo com Rodrigo Janot, porque o ex-chefe da PGR queria derrubar Michel Temer. E acusa o doleiro Lúcio Funaro de mentir para conseguir benefícios da delação: “Se eu conseguisse derrubar o Michel, Janot aceitava. Não topei mentir, confirmar o Joesley. O Lúcio topou". 
 



Só Gilmar Mendes votou a favor da defesa de Temer hoje, que teve voto contrário até de Alexandre de Moraes, indicado pelo presidente

Postado por Marco Eusébio , 20 Setembro 2017 às 18:30 - em: Principal

A maioria dos ministros do Supremo – sete dos onze – rejeitou hoje pedido da defesa de Michel Temer para que a nova denúncia de Rodrigo Janot contra o presidente não seja enviada à Câmara dos Deputados e devolvida para nova análise da Procuradoria-Geral da República,  agora sob comando de Raquel Dodge. O único voto a favor da defesa de Temer, até agora, foi o do ministro Gilmar Mendes, embora até Alexandre de Moraes, nomeado pelo peemedebista para o cargo, tenha sido contrário. Além de Moraes, votaram a favor do envio da denúncia à Câmara os ministros Edson Fachin (relator), Luís Roberto Barroso, Rosa Weber, Luiz Fux, Dias Toffoli e Ricardo Lewandowski. O julgamento foi suspenso no fim da tarde e será retomado nesta quinta-feira para o voto dos ministros Marco Aurélio Mello, Celso de Mello e Cármen Lúcia, presidente da Corte. A defesa de Temer alega que as provas apresentas por Janot contra Temer não seriam válidas, por haver suspeita de que os delatores foram orientados pelo ex-procurador da República Marcelo Miller, quando  ainda trabalhava na PGR, e pede o aguardo do fim das investigações.




Rodrigo Janot em entrevista ao Correio Braziliense: 'Não criminalizei a política. Criminalizei os bandidos'

Postado por Marco Eusébio , 20 Setembro 2017 às 17:00 - em: Principal

A delação do ex-senador Delcídio do Amaral foi um "divisor de águas" para a Lava Jato: "Ele gravou, os fatos eram gravíssimos, e era um senador, líder do governo", afirmou Rodrigo Janot em sua primeira entrevista depois de deixar o cargo de procurador-geral da República, concedida ao jornal Correio Braziliense, no quarto andar da sede da PGR em Brasília, onde funcionários trabalham para adaptar um amplo gabinete ao novo ocupante. "Um arco e flecha pendurado à parede divide o espaço com uma escultura de tuiuiu e com uma coleção de canetas — uma delas, em destaque, foi usada para assinar a delação premiada de executivos da Odebrecht" diz o jornal.
 
Rodrigo Janot parece alheio ao bombardeio que vem recebendo há meses. Até a transmissão de cargo à sucessora, Raquel Dodge, foi controversa: Janot não compareceu à cerimônia de posse. Na entrevista, o procurador federal explica a ausência: "Quem vai em festa sem convite é penetra".
 
Além da prisão de Delcídio, o ex-chefe do MP relata os bastidores de momentos importantes que marcaram a Lava-Jato: a morte do ministro Teori Zavascki, a “escolha de Sofia” na imunidade concedida ao empresário Joesley Batista em troca de provas contra Temer e as suspeitas envolvendo integrantes do próprio Ministério Público.
 
Janot deixou o cargo, mas não se afastou da turbulência. Pelo contrário. Ele sabe que, agora, começam de verdade os ataques, principalmente na CPI da JBS, comandada por aliados de Temer. "Vão tentar usar todo mundo e tudo contra mim… Tudo é possível, vão tentar desconstituir a figura do investigador", diz. "Não criminalizei a política. Criminalizei os bandidos", acrescenta.
 



Para evitar 'flechadas' de Rodrigo Janot, senador Renan Calheiros foi um dos que adiou depoimento aos federais

Postado por Marco Eusébio , 19 Setembro 2017 às 09:00 - em: Principal

Mais um sinal que a troca de Rodrigo Janot por Raquel Dodge no comando da PGR é um alívio para a classe política. "Nas últimas semanas, a Polícia Federal teve dificuldades para marcar depoimentos de políticos investigados na Lava Jato. Um deles foi o senador Renan Calheiros (PMDB), suspeito de receber propina por negócios com a Petrobras. Ao alegar dificuldades de agenda, Renan conseguiu adiar o depoimento para depois da saída de Rodrigo Janot da PGR. Quis, assim, evitar nova 'flechada'", diz o jornalista Mateus Coutinho no blog Expresso da Época.
 



Para Carlos Marun, o procurador-geral da República Rodrigo Janot ´é um vilão do crescimento do Brasil'

Postado por Marco Eusébio , 17 Setembro 2017 às 12:15 - em: Principal

Escolhido como relator da CPI da JBS e chamado pelo jornal de "líder da tropa de choque de Temer", o deputado federal Carlos Marun (PMDB-MS), em entrevista divulgada neste domingo no O Globo, disse que a saída do senador Otto Alencar (PSDB-BA) da comissão por não concordar com sua indicação para a relatoria na última semana, é uma "saída pirotécnica e fruto de medo". "Esses que estão saindo… o que eu vejo? Estão saindo por medo". Questionado sobre que "medo" seria esse, Marun justificou: 
 
– "Nós vamos investigar quem sempre nos investigou. Vamos interrogar quem sempre nos interrogou. Esse é um paradigma que será quebrado. Medo desse embate que nós vamos ter. De dali a pouco ter que se posicionar em relação a um procurador. E também, em alguns, pode acontecer a vontade de que a JBS não seja investigada".
 
O deputado de MS negou na entrevista que um dos alvos da investigação seja Rodrigo Janot, que termina neste domingo seu mandato como procurador-geral da República. Para Marun, Janot é um "vilão do crescimento do Brasil". "Não é que ele seja um bandido, mas um vilão do crescimento do Brasil, acho que ele é. O doutor Janot é hoje a pessoa que mais atrapalha o Brasil. Vilão do PMDB, não. O PMDB tem gente que tem contas a acertar. Que acertem".
 
Marun afirmou ainda que, apesar da pressão de alguns parlamentares, não renunciará ao cargo de relator. "Não renuncio de jeito nenhum. Esta CPI é uma CPI para corajosos. Eu tenho meus defeitos, mas não sou uma pessoa desleal", declarou. 
 
Leia aqui a íntegra da entrevista ao jornal O Globo.



Janot recebeu arco e flecha dos índios Xokó ontem, seu último dia útil na PGR, quando entregou ao Supremo delação da OAS

Postado por Marco Eusébio , 16 Setembro 2017 às 09:00 - em: Principal

Se enganou quem imaginou que a denúncia contra Michel Temer foi a última flechada de Rodrigo Janot. Em seu último dia útil no cargo ontem, quando ganhou de procuradores e funcionários da Procuradoria Geral da República um arco e flecha dos índios Xokó do Sergipe por ter dito sobre seus últimos dias na PGR que "enquanto houver bambu, lá vai flecha", o procurador-geral entregou ao Supremo a colaboração premiada de executivos da OAS, que incluem documentos e gravações como provas, que pode complicar ainda mais a situação dos ex-presidentes Lula e Dilma e de aliados de Temer. Léo Pinheiro, ex-presidente da OAS preso na Lava-Jato, compromete Lula no caso do tríplex e do sítio, além de envolver os senadores tucanos Aécio Neves e José Serra, diz a manchete de hoje do jornal O Globo. Janot segue no cargo até este domingo, véspera da posse de Raquel Dodge, que assumirá a função de procuradora-geral da República na segunda-feira.




Michel Temer vai precisar de novo do apoio dos deputados para se livrar de nova denúncia de Rodrigo Janot

Postado por Marco Eusébio , 14 Setembro 2017 às 19:00 - em: Principal

Em sua derradeira semana como procurador-geral da República, Rodrigo Janot deu sua última "flechada" e apresentou hoje ao Supremo sua segunda denúncia contra Michel Temer, em que acusa o presidente de organização criminosa e obstrução de Justiça chefiando o chamado "quadrilhão" do PMDB. Também são alvo da denúncia os ministros Eliseu Padilha, Moreira Franco, os ex-ministro Geddel Vieira Lima, o ex-deputado e ex-ministro Henrique Alves, os ex-deputados Eduardo Cunha e Rocha Loures, e os empresários Joesley Batista e Ricardo Saud.
 
Na denúncia, Janot afirma que Temer e os peemedebistas citados formaram um núcleo político para cometer crimes contra empresas e órgãos públicos e receberam propinas que, somadas, superam R$ 587,1 milhões. Janot diz ainda que "diversos elementos de prova" apontam Temer no "papel central" da organização criminosa desde quando integrava a base do governo Lula. 
 
Para analisar a denúncia, o Supremo precisa de autorização da Câmara onde o presidente tem apoio da maioria dos deputados. Em agosto, os parlamentares rejeitaram a primeira denúncia de Janot contra Temer por corrupção passiva. Hoje, ao comentar a nova denúncia, o presidente da Câmara Rodrigo Maia (DEM-RJ) disse que o caso "é grave" e deve paralisar a Casa.



Rodrigo Janot em contagem regressiva para deixar o comando do Ministério Público Federal

Postado por Marco Eusébio , 12 Setembro 2017 às 17:30 - em: Principal

Do site Migalhas jurídicas: "É como nos disse ontem Thiago Aragão, da consultoria Arko Advice: o furacão Janot saiu do nível 4 para o nível 3, e caminha rapidamente para o nível 2. Daqui a pouco vai virar um minuano, podendo se transformar num vento contrário vindo de Curitiba."




Temer e Rocha Loures: para Janot, Decreto dos Portos 'contemplou, ao menos em parte, as demandas' em favor da Rodrimar

Postado por Marco Eusébio , 12 Setembro 2017 às 16:20 - em: Principal

Escolhido nesta semana como relator do caso no Supremo, o ministro Luís Roberto Barroso decidiu hoje abrir inquérito para investigar o presidente Michel Temer e o ex-deputado federal Rodrigo Rocha Loures, o "homem da mala", e os empresários Ricardo Conrado Mesquita e Antônio Celso Grecco, da Rodrimar S/A, por suspeitas de crimes de corrupção ativa, passiva e lavagem de dinheiro. O pedido de investigação foi feito pelo procurador-geral Rodrigo Janot para apurar suspeitas de recebimento de vantagens indevidas dos envolvidos pelo suposto favorecimento da empresa Rodrimar S/A por meio da edição do Decreto dos Portos. Para Janot, a edição do Decreto 9.048/2017 "contemplou, ao menos em parte, as demandas" de Loures em favor da Rodrimar.