Campo Grande, Terça-Feira , 12 de Dezembro - 2017


Email: marcoeusebio@marcoeusebio.com.br

Posts com a tag: raquel-dodge

Vazamento de informações sobre crimes, coisa que mais preocupa os poderosos - na mira da Raquel

Postado por Marco Eusébio , 12 Dezembro 2017 às 11:00 - em: Principal

Enquanto no seu derradeiro dia como deputado Carlos Marun (PMDB-MS) pretende pedir o indiciamento de Rodrigo Janot (também conhecido como o terror dos políticos) no relatório da CPI da JBS às vésperas de se tornar ministro, a nova procuradora-geral da República nomeada por Michel Temer tem foco oposto. O Antagonista explica: "Raquel Dodge está mais preocupada em impedir vazamentos à imprensa do que em descobrir novos crimes. Segundo O Globo, ela já encaminhou à PF 'cinco pedidos de abertura de inquérito para investigar supostos vazamentos de delações premiadas. A média é de dois por mês, relacionados tanto a propostas sigilosas de delação apresentadas à PGR e ainda em fase de discussão, quanto a colaborações já assinadas ou homologadas pelo STF, mas ainda sob segredo'."




Em seu perfil oficial no Twitter, Renan Calheiros ironiza fato de PGR chamar Geddel de 'chefe de organização criminosa'

Postado por Marco Eusébio , 20 Outubro 2017 às 15:30 - em: Principal

Dois meses depois de subir no palanque de Lula em Alagoas e disparar uma série de críticas a Michel Temer (veja aqui em vídeo), o senador Renan Calheiros (PMDB-AL) segue provocando seu correligionário presidente. Hoje, no Twitter, o alagoano ironizou o fato de a nova procuradora-geral da República, Raquel Dodge, ter classificado como "líder de organização criminosa" Geddel Vieira Lima, ex-ministro de Temer. Renan escreveu: – "Engraçado... Nunca soube que Geddel era o Chefe. Para mim, o chefe dele era outro." 




Entrevista de Eduardo Cunha à Época repercute no Twitter após postagem do editor-chefe da revista Diego Escosteguy

Postado por Marco Eusébio , 30 Setembro 2017 às 11:45 - em: Principal

Na primeira entrevista desde que foi preso há quase um ano, o ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) diz à revista Época que está negociando delação com a Procuradoria Geral da República sob comando de Rachel Dodge e afirma que não aceitou fechar acordo com Rodrigo Janot, porque o ex-chefe da PGR queria derrubar Michel Temer. E acusa o doleiro Lúcio Funaro de mentir para conseguir benefícios da delação: “Se eu conseguisse derrubar o Michel, Janot aceitava. Não topei mentir, confirmar o Joesley. O Lúcio topou". 
 



Só Gilmar Mendes votou a favor da defesa de Temer hoje, que teve voto contrário até de Alexandre de Moraes, indicado pelo presidente

Postado por Marco Eusébio , 20 Setembro 2017 às 18:30 - em: Principal

A maioria dos ministros do Supremo – sete dos onze – rejeitou hoje pedido da defesa de Michel Temer para que a nova denúncia de Rodrigo Janot contra o presidente não seja enviada à Câmara dos Deputados e devolvida para nova análise da Procuradoria-Geral da República,  agora sob comando de Raquel Dodge. O único voto a favor da defesa de Temer, até agora, foi o do ministro Gilmar Mendes, embora até Alexandre de Moraes, nomeado pelo peemedebista para o cargo, tenha sido contrário. Além de Moraes, votaram a favor do envio da denúncia à Câmara os ministros Edson Fachin (relator), Luís Roberto Barroso, Rosa Weber, Luiz Fux, Dias Toffoli e Ricardo Lewandowski. O julgamento foi suspenso no fim da tarde e será retomado nesta quinta-feira para o voto dos ministros Marco Aurélio Mello, Celso de Mello e Cármen Lúcia, presidente da Corte. A defesa de Temer alega que as provas apresentas por Janot contra Temer não seriam válidas, por haver suspeita de que os delatores foram orientados pelo ex-procurador da República Marcelo Miller, quando  ainda trabalhava na PGR, e pede o aguardo do fim das investigações.




Para evitar 'flechadas' de Rodrigo Janot, senador Renan Calheiros foi um dos que adiou depoimento aos federais

Postado por Marco Eusébio , 19 Setembro 2017 às 09:00 - em: Principal

Mais um sinal que a troca de Rodrigo Janot por Raquel Dodge no comando da PGR é um alívio para a classe política. "Nas últimas semanas, a Polícia Federal teve dificuldades para marcar depoimentos de políticos investigados na Lava Jato. Um deles foi o senador Renan Calheiros (PMDB), suspeito de receber propina por negócios com a Petrobras. Ao alegar dificuldades de agenda, Renan conseguiu adiar o depoimento para depois da saída de Rodrigo Janot da PGR. Quis, assim, evitar nova 'flechada'", diz o jornalista Mateus Coutinho no blog Expresso da Época.
 



Eunício, Cármen Lúcia, Temer, Raquel e Maia: só elas não são alvos de investigações da própria PGR

Postado por Marco Eusébio , 18 Setembro 2017 às 15:45 - em: Principal

A composição da mesa da solenidade da posse da nova procuradora-geral da República Raquel Dodge hoje pela manhã mostrou uma cena inusitada: a maioria dos cinco integrantes – o presidente da República Michel Temer e os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia; e do Senado, Eucínio Oliveira – são alvos de pedidos de investigação da própria PGR ao Supremo. Só Raquel e a presidente do STF Cármen Lúcia não estão entre os alvos.




Janot deveria presidir a posse de sua sucessora Raquel Dodge, mas, conforme convite, foi substituído por Temer

Postado por Marco Eusébio , 11 Setembro 2017 às 13:20 - em: Principal

Do Ancelmo Gois em blog no O Globo:
 
"O convite para a posse de Raquel Dodge como procuradora-geral da República, dia 18, gera polêmica. Diz lá que a cerimônia será presidida por... Michel Temer. O normal é que o procurador- geral que está deixando o cargo presida o evento. Só que, como se sabe, não dá mais para chamar Janot e Temer para a mesma festa."



Delcídio tem condição melhor do que Machado de manter benefícios da delação, conforme colunista de O Estado de S.Paulo

Postado por Marco Eusébio , 09 Agosto 2017 às 14:00 - em: Principal

As delações de Delcídio do Amaral, do ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado e de alguns delatores ligados à Odebrecht na Lava Jato vão passar por "recall" quando a nova procuradora-geral da República Raquel Dodge assumir o cargo no lugar de Rodrigo Janot. "Os colaboradores serão chamados para esclarecer inconsistências, apresentar provas de pontos específicos e responder a contradições entre seus relatos e os de outros delatores", revela Vera Magalhães em sua coluna na edição de hoje do Estadão de S.Paulo. 
 
Sobre uma delação que será anulada, conforme antecipou Janot em entrevista nesta semana, a jornalista explica que não é a colaboração do sul-mato-grossense. "Trata-se de um delator menos 'visado', segundo investigadores, e que mentiu deliberadamente em depoimentos. O nome é mantido em segredo porque a anulação ensejará outras medidas, como buscas e prisões", informa.
 
Vera Magalhães diz que as delações de Delcídio e de Machado têm o mesmo tipo de problemas: "não oferecem provas de conversas, fatos pretéritos e de como políticos do PT e do PMDB teria obstruído a Justiça". A jornalista esclarece, entretanto, que que Delcídio tem condição melhor do que Machado de manter os benefícios da delação, que, como reconhecem investigadores, "foi corroborada por assessores e colaboradores da Odebrecht".



Após defesa de Temer pedir ao STF que tire Janot das investigações, Raquel fez visita noturna ao presidente

Postado por Marco Eusébio , 09 Agosto 2017 às 13:15 - em: Principal

Por falar em Raquel Dodge, está dando o que falar hoje na imprensa a visita "fora da agenda" da futura procuradora-geral a Michel Temer no Palácio do Jaburu por volta das 22h (DF) da noite anterior, no dia em que a defesa do presidente pediu ao Supremo a suspeição do atual procurador-geral Rodrigo Janot sobre investigações relacionadas a ele, usando a velha tática de se defender atacando. Com a repercussão, Raquel disse hoje aos jornais que foi conversar com Temer, que a indicou para o cargo, sobre a data e horário de sua posse na PGR, já que o presidente vai para os EUA no dia 18 de setembro participar de assembleia da ONU. Então... tá, então!




Delação de Delcídio homologada no ano passado, implica Temer, Lula, Dilma, Renan Calheiros e Aécio Neves

Postado por Marco Eusébio , 08 Julho 2017 às 14:45 - em: Principal

A chegada de Raquel Dodge ao comando da Procuradoria-Geral da República em setembro, indicada por Michel Temer para substituir Rodrigo Janot, ameaça complicar a situação do ex-senador Delcídio (MS): "Um dado é certo. Com o novo comando na PGR, a delação de Delcídio Amaral corre sério risco de anulação. A delação de Delcídio, homologada no ano passado, implica Michel Temer, Lula, Dilma, Renan Calheiros e Aécio Neves", diz o repórter Maurício Lima no blog Radar da Veja.