Campo Grande, Terça-Feira , 21 de Novembro - 2017


Email: marcoeusebio@marcoeusebio.com.br

Posts com a tag: policia-federal

Atualmente 68 milhões de pessoas (48% do eleitorado) já têm digitais cadastradas pela Justiça Eleitoral

Postado por Marco Eusébio , 17 Novembro 2017 às 12:45 - em: Principal

A Polícia Federal e o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) agora têm acesso aos dados das impressões digitais dos cidadãos cadastrados nas duas instituições, conforme convênio assinado ontem pelas duas instituições. Além de suas investigações, a PF vai usar o cadastro biométrico de eleitores na emissão de passaportes. Atualmente, 68 milhões de pessoas, 46% de todo o eleitorado brasileiro, já são identificadas pela biometria para votar. A expectativa é que nas eleições de 2022 100% dos eleitores já estejam identificados pelas impressões digitais. O banco de dados compartilhado também servirá de base para a emissão da Identidade Civil Nacional (ICN), documento único do cidadão brasileiro válido em todo território nacional. (Com EBC)




Carlos Marques questionou prisões na Operação da PF e Newley Amarilla, advogado do delator, respondeu

Postado por Marco Eusébio , 14 Novembro 2017 às 20:30 - em: Principal

A prisão do ex-governador André Puccinelli (PMDB) pela Polícia Federal na Operação Papiros de Lama hoje em Campo Grande rendeu um debate de dois renomados advogados de Mato Grosso do Sul no Facebook: o ex-presidente da OAB-MS, Carlos Marques, e Newley Amarilla, advogado que representa o pecuarista Ivanildo da Cunha Miranda, apontado como operador do esquema de propinas cuja delação serviu como base para a quinta fase da Operação Lama Asfáltica. "Há algo podre no reino do Pantanal", escreveu Carlos Marques no artigo, em que também questionou: "Na delação feita pelo Ivanildo nas terras pantaneiras, ele só envolve o Ex-governador André. Ele esqueceu de falar do Ex-governador Zeca e do atual Governador, ou a omissão foi proposital?". Marques acrescentou: "Causa maior estranheza ainda o fato de que existe um concorrente ao Governo do Estado oriundo dos quadros da magistratura, que naturalmente deve ter interesse em ver o ex-governador André fora da disputa". Clique abaixo e leia a íntegra no Facebook.

Newley Amarilla, ao comentar o artigo, dirigindo-se ao colega advogado, escreveu: "Carlos, respeitando suas opiniões, são os seguintes os equívocos acerca de sua reflexão, quanto aos fatos, obviamente: 1) na delação da JBS o nome de Ivanildo só aparece ligado a André Puccinelli; nunca ao de Zeca ou Reinaldo. Basta ouvir atentamente as delações de Joesley, Wesley e outros da JBS; tanto que as planilhas fornecidas na tal delação e vinculadas a Ivanildo compreendem o período de 2007 (ano em que André assumiu) a 2013 (penúltimo ano do segundo mandato de André Puccinelli). Logo, não poderiam envolver Zeca e Reinaldo. Então, não houve omissão, mas gritante equívoco de quem assim entendeu." Clique abaixo e leia a íntegra no Facebook.




André Puccinelli e o filho advogado foram levados para o Centro de Triagem do Presídio de Segurança Máxima

Postado por Marco Eusébio , 14 Novembro 2017 às 20:00 - em: Principal


Empreiteiro João Amorim é um dos seis investigados que foram conduzidos a depor na Superintendência da PF

Postado por Marco Eusébio , 14 Novembro 2017 às 14:15 - em: Principal

Dez pessoas, entre políticos, advogados e empresários foram alvo da Operação Papiros de Lama deflagrada hoje em Campo Grande, delação premiada feita pelo pecuarista Ivanildo da Cunha Miranda, ex-operador do suposto esquema de propinas. Conforme o site Midiamax, a Polícia Federal pediu prisão preventiva de todos, mas o juiz federal Fábio Luparelli Magajewski só concedeu o mandado no caso do ex-governador André Puccinelli e de seu filho Jr., advogado. Foram alvos de prisão temporária de cinco dias, os advogados João Paulo Calves e Jodascil Gonçalves Lopes, do Instituto Ícone. Foram conduzidos coercitivamente à depor na PF: o ex-secretário de Fazenda de MS, André Luiz Cance; os empreiteiros João Amorim e João Baird; o dono da gráfica Alvorada, Mirched Jafar Júnior; o dono da PSG Antônio Cortez; e o engenheiro João Maurício Cance. Estes seis investigados que não foram presos estão impedidos de sair da cidade por mais de 10 dias sem autorização, não podem sair de casa após às 21h e devem comparecer mensalmente à Justiça, sob pena de prisão caso descumpram as ordens judiciais.




André Puccinelli em viatura na saída do prédio onde mora, ao ser levado por agentes para a Superintendência da PF

Postado por Marco Eusébio , 14 Novembro 2017 às 10:30 - em: Principal

A Polícia Federal prendeu hoje em Campo Grande o ex-governador André Puccinelli e o filho dele, o advogado André Puccinelli Júnior, na Operação Papiros de Lama, quinta fase da Lama Asfáltica, deflagrada em conjunto com a Receita Federal e Controladoria-Geral da União. Além dos dois mandados de prisão preventiva na cidade, também são cumpridos em Aquidauana, Nioaque (MS) e São Paulo dois de prisão temporária, seis de condução seis de condução coercitiva, quando a pessoa é levada a depor, e 24 de busca e apreensão. Desta vez, a operação mira desvio de R$ 235 milhões em recursos públicos por direcionamento de licitações, superfaturamento de obras, aquisição fictícia ou ilícita de produtos, financiamento de atividades privadas e concessão de créditos tributários para recebimento de propina e corrupção de agentes públicos. Parte das provas que possibilitam esta operação foram levantadas por meios de acordo de delação premiada de Ivanildo da Cunha Miranda, apontado como operador de propinas do esquema.




André Puccinelli em viatura na saída do prédio onde mora, ao ser levado por agentes para a Superintendência da PF

Postado por Marco Eusébio , 14 Novembro 2017 às 10:30 - em: Principal

A Polícia Federal prendeu hoje em Campo Grande o ex-governador André Puccinelli e o filho dele, o advogado André Puccinelli Júnior, na Operação Papiros de Lama, quinta fase da Lama Asfáltica, deflagrada em conjunto com a Receita Federal Controladoria-Geral da União. Além dos dois mandados de prisão preventiva na cidade, também são cumpridos em Aquidauana, Nioaque (MS) e São Paulo dois de prisão temporária, seis de condução seis de condução coercitiva, quando a pessoa é levada a depor, e 24 de busca e apreensão. Desta vez, a operação mira desvio de R$ 235 milhões em recursos públicos por direcionamento de licitações, superfaturamento de obras, aquisição fictícia ou ilícita de produtos, financiamento de atividades privadas e concessão de créditos tributários para recebimento de propina e corrupção de agentes públicos. Parte das provas que possibilitam esta operação foram levantadas por meios de acordo de delação premiada. 




Delegado Fernando Segóvia, que comandou a PF no Maranhão, teria sido indicado a Michel Temer por José Sarney

Postado por Marco Eusébio , 08 Novembro 2017 às 17:00 - em: Principal

Pressionado pelo PMDB, Michel Temer decidiu nomear o delegado Fernando Segóvia como diretor-geral da Polícia Federal no lugar do delegado Leandro Daiello, que havia sido nomeado em 2016 no governo Dilma Rousseff e esteve à frente da corporação durante todo o curso da Operação Lava Jato. A colunista do G1 Andréia Sadi, diz que o ex-presidente José Sarney fez lobby junto a Temer pelo nome de Segóvia, que foi superintendente da PF no Maranhão. 
 
À GloboNews, o novo diretor-geral da PF afirmou que vai dar continuidade "ao belíssimo trabalho de Leandro Daiello" e prometeu "ampliar" a Lava Jato. Entretanto, o blog do Matheus Leitão, também no G1 da Globo, informa que membros da PF disseram ser "um momento de apreensão, já que integrantes e ex-integrantes do governo Temer foram alvos de investigações". Na avaliação desses policiais, esse tipo de mudança "não é usual", uma vez que o mandato de Temer acabará no ano que vem, diz Leitão.



Época: com a Lava Jato devagar, quase parando, Curitiba deve deflagrar outra megaoperação até o fim do ano

Postado por Marco Eusébio , 16 Outubro 2017 às 12:15 - em: Principal

"Todos percebem que o ritmo de operações deflagradas no âmbito da Lava Jato está devagar, quase parando. Mas não será assim até o fim do ano. Curitiba prepara uma daquelas megaoperações capazes de povoar as manchetes dos jornais por dias seguidos. Mais trabalho para o coordenador da Lava Jato no Ministério Público Federal, o procurador Deltan Dallagnol, e para o juiz Sergio Moro", diz Diego Escosteguy no blog Expresso da revista Época.




Policiais federais amanheceram em frente a imóveis de familiares de Jucá em Boa Vista na manhã desta quinta-feira

Postado por Marco Eusébio , 28 Setembro 2017 às 10:00 - em: Principal

A Polícia Federal deflagrou hoje a Operação Anel de Giges, em Boa Vista (RR), para investigar Marina e Rodrigo Jucá, filhos do senador Romero Jucá (PMDB-RR), e Ana Paula e Luciana Surita, enteadas dele e filhas da prefeita da capital de Roraima, Teresa Surita, alvos de mandados de busca e apreensão e condução coercitiva. Os filhos e enteadas do líder do governo no Senado são suspeitos de desviar R$ 32 milhões de dinheiro público por superfaturamento na compra da Fazenda Recreio e na construção da Vila Jardim, do Minha Casa Minha Vida, ambos em Boa Vista. Mandados também são cumpridos Belo Horizonte e Brasília. A defesa de Jucá, que é alvo de nove inquéritos no STF, afirma que o senador não está entre os investigados nessa operação. O nome da operação foi inspirado no Livro II da obra filosófica A República de Platão, que discute o tema da Justiça. O Anel de Giges permite ao portador ficar invisível e cometer ilícitos sem consequências.




Policiais federais estiveram em gabinetes de sete deputados na Assembleia de MT e endereços do ministro Blairo Maggi no estado e no DF

Postado por Marco Eusébio , 14 Setembro 2017 às 11:00 - em: Principal

Polciais federais amanheceram hoje cumprindo mandados de busca e apreensão em endereços do ministro Blairo Maggi e de outros políticos em Brasília e em nove municípios de Mato Grosso, suspeitos de envolvimento em esquema de corrupção no estado vizinho. Ao expedir os mandados a pedido da Procuradoria Geral da República, o ministro Luiz Fux, do Supremo, afirmou haver indícios de obstrução de Justiça e formação de organização criminosa. 
 
Entre os alvos estão o prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (PMDB), filmado recebendo propina. Foram alvos da operação o gabinete do deputado federal Ezequiel Fonseca (PP-MT) em Brasília e  gabinetes de sete deputados estaduais de MT em Cuiabá: Gilmar Fabris (PSD), Silvano Amaral (PMDB), Oscar Bezerra (PSB), Wagner Ramos (PSD), Ondanir Bortolini (o Nininho, do PSD) e Romoaldo Júnior (PMDB). 
 
Fux também mandou afastar cinco conselheiros do Tribunal de Contas do MT. A ação faz parte da Operação Malebolge, 12ª fase da Ararath, que desmantelou esquema de corrupção em Mato Grosso a partir da delação premiada do ex-governador Silval Barbosa (PMDB). Em nota, Maggi nega as acusações.