Campo Grande, Domingo , 19 de Novembro - 2017


Email: marcoeusebio@marcoeusebio.com.br

Posts com a tag: geraldo-alckmin

Alckmin ao lado de Doria e Serra na convenção do PSDB paulista que virou palanque para a candidatura do governador

Postado por Marco Eusébio , 13 Novembro 2017 às 11:00 - em: Principal

A convenção do PSDB de São Paulo virou ontem ato de apoio à candidatura do governador Geraldo Alckmin à Presidência da República. Ovacionado por correligionários, Alckmin admitiu pela primeira vez a possibilidade de assumir o comando do partido. "Precisamos de unidade para mudar o Brasil. Essa tem de ser a nossa mensagem. Com todos os riscos e muita coragem", disse. O evento político teve coro de "fora Aécio" e lideranças pediram a saída imediata do senador mineiro do comando do partido e sua substituição pelo governador paulista.




Lula lidera em todos os cenários e Jair Bolsonaro segue em segundo lugar, conforme pesquisa Ibope

Marun: 'Não vejo mais nenhuma possibilidade de Geraldo Alckmin ser apoiado pelo PMDB nas próximas eleições presidenciais'

Postado por Marco Eusébio , 26 Outubro 2017 às 12:15 - em: Principal

Um dos principais apoiadores de Michel Temer na Câmara, o deputado Carlos Marun (PMDB-MS) disse ao jornal O Globo, após a votação que rejeitou a segunda denúncia contra o presidente ontem, que o PMDB não pode apoiar o governador Geraldo Alckmin (PSDB-SP) nas eleições presidenciais de 2018 depois que os tucanos paulistas votaram contra o peemedebista. Dos 12 deputados do PSDB de São Paulo, só Bruna Furlan votou contra a denúncia e Mara Gabrilli estava ausente.
 
– "Não vejo mais nenhuma possibilidade de o governador Geraldo Alckmin ser apoiado pelo PMDB nas próximas eleições presidenciais depois da quase unanimidade da bancada paulista ter votado contra o presidente", declarou Marun.
 



Ciro Gomes durante almoço na Firjan disparou mirando Marina Silva, Aécio, Doria, Alckmin, Bolsonaro e Michel Temer

Postado por Marco Eusébio , 20 Outubro 2017 às 17:45 - em: Principal

Com sua conhecida metralhadora verbal, Ciro Gomes apimenta a pré-campanha. O pré-candidato do PDT disparou críticas contra possíveis adversários nas eleições presidenciais de 2018 durante almoço com empresários na Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan) ontem. Sobre Marina Silva (Rede), o pré-candidato do PDT citou falta de hormônio masculino:"Não vejo ela com a energia e o momento é muito de testosterona". 
 
SOBRE OS TUCANOS, Ciro declarou que o PSDB vai "segurando a alça de um caixão de um governo que tem 3% de aprovação" em alusão a Temer, chamou Aécio Neves de "um cadáver político" que não é sepultado e segue "dando as cartas" no partido e disse que prefere deixar "o Doria desgastando o Alckmin".
 
SOBRE BOLSONARO, Ciro disse que, por enquanto, ele "representa uma coisa muito respeitável que é a repulsa do povo brasileiro com a prática média da política". Destacou, porém, que "o voto não é catártico". "Essas bofetadas que o Supremo dá, que o Congresso dá, todo dia o Bolsonaro vira uma coisa catártica de protesto. Mas o voto não é catártico. O voto é afirmativo. Portanto, na hora que o PSDB de organizar, eles vão começar a se canibalizar. O PSDB subindo, e o Bolsonaro subindo. E eu vou passando." (Com Estadão)



Ciro Gomes, na Firjan, disparou metralhadora verbal mirando Marina Silva, Aécio, Doria, Alckmin e Bolsonaro

Postado por Marco Eusébio , 20 Outubro 2017 às 15:24 - em: Papo de Arquibancada

Ciro Gomes disparou críticas contra possíveis adversários nas eleições presidenciais de 2018 durante almoço com empresários na Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan) ontem. Sobre Marina Silva (Rede), o pré-candidato do PDT citou a falta de hormônio masculino:"Não vejo ela com a energia e o momento é muito de testosterona", afirmou. 
 
Sobre os tucanos, Ciro declarou que o PSDB vai "segurando a alça de um caixão de um governo que tem 3% de aprovação" em alusão a Temer, chamou Aécio Neves de "um cadáver político" que não é sepultado e segue "dando as cartas" no partido e disse que prefere deixar "o Doria desgastando o Alckmin".
 
Ciro disse ainda que Jair Bolsonaro, por enquanto, "representa uma coisa muito respeitável que é a repulsa do povo brasileiro com a prática média da política". Destacou, porém, que "o voto não é catártico". "Essas bofetadas que o Supremo dá, que o Congresso dá, todo dia o Bolsonaro vira uma coisa catártica de protesto. Mas o voto não é catártico. O voto é afirmativo. Portanto, na hora que o PSDB de organizar, eles vão começar a se canibalizar. O PSDB subindo, e o Bolsonaro subindo. E eu vou passando", afirmou. (Com Estadão)



Luiz Flávio, o Lula Guimarães, vai buscar melhorar a imagem de Geraldo Alckmin nas redes sociais

Postado por Marco Eusébio , 11 Outubro 2017 às 11:00 - em: Principal

Luiz Flávio Guimarães, o Lula Guimarães, que atuou na estratégia de campanha de João Doria para a Prefeitura de São Paulo, foi contratatado pelo PSDB paulista para cuidar da imagem de Geraldo Alckmin na internet. "Nas mídias sociais, Alckmin hoje beira a invisibilidade. O contrato vai até dezembro. E pode ser renovado para a campanha presidencial", diz Lauro Jardim em blog no O Globo.




Geraldo Alckmin grita com deputado: 'Ele ganha 50 mil reais dos brasileiros de São Paulo. Devia ter vergonha'

Postado por Marco Eusébio , 16 Setembro 2017 às 16:45 - em: Principal

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), ficou irritado e disparou gritos contra o deputado federal Major Olímpio (SD-SP) durante entrega de viaturas para a PM hoje na cidade de São Carlos. 
 
A confusão começou quando o secretário de Segurança, Mágino Alves, discursava e o deputado apareceu com um grupo de manifestantes e começou a atacar o governo gritando palavras de ordem contra a morte de policiais, a falta de segurança e cobrando salários atrasados de servidores. 
 
Na sua vez de discursar, Alckmin dizia que vai dar reajuste aos servidores civis e militares e, em seguinda, deixou de lado o estilo sereno e revidou contra Olímpio gritando ao microfone:
 
"Alguém aqui ganha R$ 50 mil do povo de São Paulo? Ele que tá gritando. Ele ganha 50 mil reais. Devia ter vergonha de vir aqui. 50 mil do povo de São Paulo. Tenha vergonha deputado. Não pode olhar no rosto dos brasileiros de São Paulo..."
 
Depois do evento, Alckmin não quis mais falar sobre o assunto. Mais calmo, tirou fotos com populares e seguiu para outra agenda, no município de Trabiju, próximo dali. Major Olímpio negou à imprensa que receba R$ 50 mil por mês. Disse que, além do salário de deputado federal, recebe R$ 13 mil como major aposentando da Polícia Militar paulista. Veja o vídeo.




Lavareda afirma que Marina Silva deve crescer, que Bolsonaro 'vai se desidratar' e diz que o PSDB deveria fazer prévias com Doria e Alckmin

Postado por Marco Eusébio , 08 Setembro 2017 às 11:00 - em: Principal

Embora líder das pesquisas para a sucessão presidencial de 2018, Lula nem deverá ser candidato. A previsão é do cientista político Antonio Lavareda, presidente do Conselho Científico do Instituto de Pesquisas Sociais, Políticas e Econômicas (Ipespe), do Recife, que já foi consultor de 91 campanhas eleitorais. Em entrevista à IstoÉ, Lavareda afirmou que a probalidade de Lula disputar as eleições "é próxima de zero". Sem o ex-presidente no páreo, ele acredita o ex-prefeito de SP Fernando Haddad será o candidato pelo PT e a esquerda terá ainda a opção de Ciro Gomes (PDT). Para Lavareda, Marina Silva (Rede) pode crescer, e Jair Bolsonaro, em segundo nas pesquisas hoje, "vai se desidratar". Resta saber se os partidos de centro, como PSDB, PMDB e DEM, vão se unir ou se seguirão divididos. Unidos, podem chegar ao segundo turno e ganhar, avalia o cientista político. O problema é que o prefeito João Doria e o governador Geraldo Alckmin travam uma luta fraticida pela vaga do PSDB. Para Lavareda, a melhor solução para os tucanos seria fazer prévias para escolher um dos dois.




Lista de rejeição é liderada por Michel Temer. Na parte de baixo, uma celebridade da TV: Luciano Huck

Postado por Marco Eusébio , 27 Agosto 2017 às 11:00 - em: Principal


Lula lidera em rejeição seguido por
Lula segue na frente na preferência de voto para a Presidência em 2018. Porém é o mais rejeitado dentre todos os candidatos, por mais da metade dos eleitores, com 55,8%. É o que aponta levantamento do instituto Paraná Pesquisas feito para a IstoÉ e divulgado neste fim de semana pela revista.
 
No cenário em que Geraldo Alckmin aparece candidato pelo PSDB, Lula lidera com 26,1%, seguido por Jair Bolsonaro com 20,8%, Joaquim Barbosa 9,8%, Alckmin 7,3%, Marina Silva 7%, Ciro Gomes 4,5% e Álvaro Dias 4,1%. Quando o candidato tucano é João Doria, o petista lidera com 25,8%, seguido por Bolsonaro com 18,7%, Doria 12,3%, Joaquim Barbosa 8,7%, Marina Silva 7,1%, Ciro 4,5% e Álvaro Dias 3,5%. 
 
Outros três nomes aparecem com rejeição superior a 50%: Alckmin com 54,1%, Bolsonaro 53,9% e Ciro com 50,2%. Depois vem Marina com 46,3%, Joaquim Barbosa com 42,3% e Dória com 42,2%. A rejeição de Álvaro Dias não é citada na pesquisa.
 
"Se Lula, Alckmin e Bolsonaro não conseguirem reduzir a rejeição, dificilmente ganham a eleição de 2018. E se Alckmin ou Bolsonaro forem os adversários de Lula num segundo turno, tudo pode acontecer. Até a vitória de Lula”, disse Murilo Hidalgo, diretor do instituto.
 
Além de ser o menos rejeitado, o prefeito de São Paulo também é o menos conhecido: 15,4% disseram não conhecer Doria suficientemente para opinar. A pesquisa ouviu 2.020 entre segunda (24) e quinta-feira (27. A margem de erro é de 2 pontos para mais ou para menos.