Campo Grande, Domingo , 19 de Novembro - 2017


Email: marcoeusebio@marcoeusebio.com.br

Posts com a tag: febre-aftosa

Dose passará a ser de 2 mls em vez dos 5 mls atuais e vacina será produzida sem 'vírus C' (já erradicado) e sem saponina

Postado por Marco Eusébio , 24 Julho 2017 às 18:00 - em: Principal

Fabricantes vão alterar a composição e a dose de vacina contra a febre aftosa no Brasil, a pedido da cadeia produtiva de carne. As mudanças devem começar em agosto e serão concluídas até novembro de 2018, em três etapas. A medida foi solicitada depois que o Ministério da Agricultura atribuiu aos abcessos na carne causados pela vacina a suspensão da importação do produto pelos Estados Unidos. 
 
A partir do mês que vem, a vacina será fabricada bivalente (vírus O 1 e A24) com a retirada do vírus C, já erradicado do Brasil. A partir de maio, a dose cairá dos 5 mililitros (ml) atuais para 2 ml. Depois, será retirado do produto o adjuvante saponina, para a campanha de vacinação de novembro de 2018. 
 
O agronegócio alega que a saponina gera "exacerbada irritação no local da aplicação, que se agrava até casos de edema e severa reação inflamatória, com consequente ocorrência de abscessos [nódulo inchado cheio de pus]". Esses abcessos foram um dos motivos de suspensão das importações anunciadas em junho pelos EUA. (Com Agência Brasil)



Azambuja lança nesta terça campanha de vacinação contra aftosa em MS

Postado por Marco Eusébio , 02 Maio 2017 às 09:00 - em: Principal

O governo de Mato Grosso do Sul lança nesta terça-feira pós feriado em Campo Grande a campanha de vacinação contra a aftosa que deve imunizar mais de 21 milhões de bovinos e bubalinos de mamando a caducando nos próximos três meses. O ato contará com a presença do governador Azambuja e representantes do setor produtivo, a partir das 9h, no Clube de Laço Comprido (CLC), no km 2 da MS 010, próximo à UCDB. Há três anos o estado tem números superiores a 99% de animais vacinados, o que leva profissionais da Iagro a serem chamados para palestras em todo o País. Esses profissionais acreditam que MS poderá estar apto a ser considerado território "livre de febre aftosa sem vacinação" em três anos, o que significa novos mercados e redução de custos na produção.