Campo Grande, Segunda-Feira , 26 de Junho - 2017


Email: marcoeusebio@marcoeusebio.com.br

Posts com a tag: eduardo-cunha

Cunha e a carta escrita à mão desmentindo declarações de Joesley sobre sua relação com Lula

Postado por Marco Eusébio , 20 Junho 2017 às 10:15 - em: Principal

Eduardo Cunha diz que Joesley Batista, da JBS, mentiu sobre sua relação com Lula em entrevista à revista Época e prometeu pedir ao Supremo a anulação da delação do dono da JBS.  Em carta escrita à mão, no presídio em Curitiba, o ex-presidente da Câmara afirma:
 
"Ele [Joesley] fala que só encontrou o ex-presidente Lula por duas vezes, em 2006 e 2013. Mentira! Ele apenas se esqueceu que promoveu um encontro que durou horas, no dia 26 de março de 2016, Sábado de Aleluia, na sua residência [...] entre eu, ele e Lula, a pedido de Lula, a fim de discutir o processo de impeachment, ocorrido em 17 de abril, onde pude constatar a relação entre eles e os constantes encontros que eles mantinham". 
 
Na carta, o ex-deputado diz que o encontro de Joesley, Lula e ele pode ser comprovado pelos seguranças que o acompanharam e classifica o empresário da JBS como "perigoso marginal" que mente "para obter benefícios para os seus crimes".
 
Cunha também diz estranhar que Joesley ataca o governo Temer, sendo o maior beneficiário das medidas do atual governo:
 
"É estranho que mesmo atacando o governo, ele seja o maior beneficiário de medidas do governo, tais como a MP 783 do Refis, onde ele, como o maior devedor da Previdência no país, vai poder pagar os bilhões que deve em 15 anos, com descontos e ainda usando créditos podres e duvidosos, inclusive de terceiros", exemplificou.



Eduardo Cunha e o presidente Michel Temer, herdeiro de sua 'tropa de choque' na Câmara

Postado por Marco Eusébio , 16 Junho 2017 às 19:00 - em: Principal

"Carlos Marun, Darcísio Perondi, Fausto Pinato, André Moura... eis que os mais entusiasmados da tropa de choque de Michel Temer são os mesmos que restaram a Eduardo Cunha na reta final." (Do blog do Lauro Jardim em O Globo)




Cunha é um dos principais alvos da operação baseada em denúncias feitas por Delcídio

Postado por Marco Eusébio , 08 Junho 2017 às 11:00 - em: Principal

Com base em inquérito oriundo de delação do ex-senador Delcídio Amaral (MS) na Lava Jato, policiais civis da Delegacia Fazendária (Delfaz) do Rio de Janeiro deflagraram na manhã de hoje a "Operação Barão Gatuno" contra envolvidos em crimes de corrupção e lavagem de dinheiro no estado do Rio. Em depoimentos, Delcídio falou sobre a ligação da atual diretoria de Furnas com o ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e a relação do ex-deputado com o operador financeiro Lúcio Funaro. 
 
Cunha foi responsável por alterar a legislação do setor energético em 2007 e 2008 para beneficiar seus interesses e de Funaro, com a relatoria de medidas provisórias (396/2007 e 450/2008) que favoreceram a empresa Serra da Carioca II, na época em que um indicado do deputado carioca ocupava a presidência da subsidiária. "A atuação de Cunha teria permitido que Furnas comprasse, em 2008, as ações da Serra da Carioca II, que era sócia da estatal, em um consórcio para construção da Usina Hidrelétrica Serra do Facão, em Goiás. Em auditoria, a Controladoria Geral da União apurou vantagens para a empresa que não eram usualmente verificadas em negociações do mercado privado", diz o Estadão de S.Paulo.
 
Embora seja um desdobramento da Lava Jato, A investigação foi remetida para o primeira instância estadual do Rio, porque Cunha e outros suspeitos não têm prerrogativa de foro.



Cunha e Alves na época do poder: ex-presidentes da Câmara na mira da Operação Manus

Postado por Marco Eusébio , 06 Junho 2017 às 11:00 - em: Principal

Mais um figurão da política foi preso hoje, preventivamente, pela Polícia Federal, na Operação Manus, desdobramento da Lava Jato: Henrique Alves (PMDB-RN), ex-presidente da Câmara e ex-ministro de Turismo do governo Michel Temer. Na ação que apura desvio de verba para pagamento de propina na construção da Arena das Dunas, em Natal (RN), também foi preso o secretário de Obras da capital potiguar, Fred Queiroz, e uma ordem de prisão foi expedida contra  Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que está preso em Curitiba. 
 
Em março, a PF revelou que Alves recebu mais de R$ 2 milhões em uma conta na Suiça. O ex-ministro disse que não sabia como o dinheiro havia parado lá. Agora, as apurações indicam que ele emprestou a conta para Cunha receber propina de contratos em obras públicas. O nome da operação, Manus, faz referência ao provérbio latino "Manus Manum Fricat, Et Manus Manus Lavat" (uma mão esfrega a outra; uma mão lava a outra). 
 
Dono de um dos sobrenomes mais tradicionais da política do Rio Grande do Norte, há quase três anos Henrique Alves tomou uma decisão que mudou seu destino político: após onze mandatos e 44 anos como parlamentar, abriu mão do cargo de deputado federal para disputar o governo de seu estado na certeza da vitória. Mas foi derrotado por Robinson Faria (PSD) no segundo turno. Sem mandato, perdeu o foro privilegiado, com o qual só poderia ter sido preso caso pego em flagrante. E complicou sua situação: Fernando Reis, ex-presidente da Odebrecht Ambiental, declarou ter dado R$ 2 milhões para ajudá-lo na campanha eleitoral, com promessa de vantagens futuras.



Absolvição de Cláudia Cruz seria um sinal de que Cunha resolveu colaborar com a Lava Jato?

Postado por Marco Eusébio , 26 Maio 2017 às 13:25 - em: Principal

A decisão do juiz Sérgio Moro, que absolveu a jornalista Cláudia Cruz da acusação da PGR de que ela seria "lavadora" de dinheiro de propinas recebidas pelo outrora poderoso marido, estimula entre advogados de todo o Brasil a seguinte pergunta:
 
– "Estaria Eduardo Cunha delatando?"
 



Cunha, nos tempos de poder, com Cláudia Cruz: ele foi condenado e ela absolvida por Sérgio Moro

Postado por Marco Eusébio , 25 Maio 2017 às 19:15 - em: Principal

Acusada de evasão fraudulenta de dividas e lavagem de dinheiro, Cláudia Cruz, mulher de Eduardo Cunha, foi absolvida pelo juiz federal Sérgio Moro conforme decisão publicada hoje. O Ministério Público Federal acusava a jornalista de ter mantido manter US$ 1.061.650,00 no exterior sem declaração, além de US$ 1,2 milhão que seriam de lavagem de dinheiro. Esse total foi transferido de contas de Cunha. Moro, entretanto, considerou que há falta de prova suficiente de que Cláudia Cruz agiu com dolo ao manter contas na Suíça ou de que soubesse dos atos de corrupção praticados pelo marido, mas salientou que a jornalista deveria ter percebido que o padrão de vida levado pela família não correspondia a renda de Cunha. "Cláudia ficou satisfeita e aliviada com a decisão", disse à imprensa o advogado Pierpaolo Bottii. Apesar da absolvição, o juiz mandou confiscar o dinheiro bloqueado na conta suíça Kopek, no total de 176.670,00 francos suíços, quase R$ 600 mil na cotação de hoje.




Marun, da tribuna da Câmara, rebate Renan, que o acusa de ter indicado ministro a mando de Cunha

Postado por Marco Eusébio , 25 Maio 2017 às 10:30 - em: Principal

As sessões do Legislativo nacional foram marcadas por Renan Calheiros (PMDB-AL) versus peemedebistas de Mato Grosso do Sul ontem. Além do bate-boca com o senador Waldemir Moka no plenário do Senado aqui divulgado, o líder do PMDB usou a tribuna da Casa para atacar o deputado Carlos Marun. Ao voltar a criticar a nomeação de Osmar Serraglio como ministro da Justiça que, para ele é uma indicação de Eduardo Cunha que teve Marun como emissário, Renan afirmou ter dado os seguintes conselhos a Michel Temer:
 
– "Olha Michel. Você pode receber o deputado Marun em qualquer circunstância. Pode botar o Marun como presidente da comissão da Previdência. Pode botar o Marun para fazer a sua defesa na Ordem dos Advogados do Brasil. A única coisa, presidente, que você não pode fazer, é receber o Marun como enviado de Curitiba para nomear o ministro da Justiça". E em seguinta emendou: "Um governo chantageado publicamente, que não tem noção do que significa o que pode ou não pode fazer, continue a ser pautado por um presidiário, inclusive, na nomeação de um ministro da Justiça."
 
Da tribuna da vizinha Câmara, Marun respondeu a Renan: "Pare de mentir. Vossa excelência já está mentindo tanto, que já está acreditando nas próprias mentiras. Vossa excelência não tem consideração pelo seu partido. Vossa excelência não tem consideração pelo seu País. É motivo hoje de vergonha para nós peemedebistas". E repetiu o que já havia dito antes ao senador alagoano, dizendo que visitou Cunha em dezembro porque "eu posso entrar em presídios e sair a hora que eu quiser", acrescentando que no Natal "é muito provável que eu visite novamente. O que eu tenho medo é de encontrá-lo lá". 
 
Veja o vídeo.
 




Wesley e Joesley Batista, do topo empresarial a investigados e delatores da Lava Jato

Os empresários Joesley e Wesley Batista, donos da JBS, conseguiram autorização da Justiça para deixar o Brasil e ir para Nova Iorque (EUA) depois de relatarem às autoridades que estão ameaçados de morte. A informação foi divulgada na noite anterior pela Globo News. Joesley virou assunto de todo o noticiário nacional depois que o jornal O Globo revelou sua deleção premiada que inclui gravação do presidente Michel Temer dando aval para comprar o silêncio de Eduardo Cunha, gravação do senador Aécio Neves (PSDB) pedindo R$ 2 milhões de propina para o grupo do empresário e também diz que seu contato com os governos petistas era o ex-ministro Guido Mantega que distribuía propina a parlamentares do PT.




Marun enviou nota após reunião com Temer nesta noite: 'Situação é gravíssima'

Postado por Marco Eusébio , 17 Maio 2017 às 23:16 - em: Principal

Planalto, o deputado federal Carlos Marun (PMDB-MS) acaba de enviar a seguinte nota via WhatsApp aqui ao Blog: 
 
"Acabo de sair de reunião com o presidente Temer. Está triste, mas confiante na superação da crise. Sua posição foi explicitada na nota divulgada (leia aqui a nota citada pelo deputado).
 
É triste que a colaboração premiadíssima de um empresário, que se tornou bilionário em função de favores recebidos durante o governo do PT, esteja causando tanta insegurança exatamente no momento em que finalmente voltávamos a crescer e gerar empregos. 
 
A situação é gravíssima, mas temos que aguardar os acontecimentos."



Marun enviou nota após reunião com Michel Temer: 'Situação é gravíssima, mas temos que aguardar'

Postado por Marco Eusébio , 17 Maio 2017 às 23:15 - em: Principal

Depois de reunião com o presidente Michel Temer nesta noite no Palácio do Planalto, o deputado federal Carlos Marun (PMDB-MS) acaba de enviar a seguinte nota via WhatsApp aqui ao Blog: 
 
"Acabo de sair de reunião com o presidente Temer. Está triste, mas confiante na superação da crise. Sua posição foi explicitada na nota divulgada (leia aqui a nota citada pelo deputado).
 
É triste que a colaboração premiadíssima de um empresário, que se tornou bilionário em função de favores recebidos durante o governo do PT, esteja causando tanta insegurança exatamente no momento em que finalmente voltávamos a crescer e gerar empregos. 
 
A situação é gravíssima, mas temos que aguardar os acontecimentos."
 
Leia a nota do Planalto citada por Marun:
 
"NOTA À IMPRENSA
 
O presidente Michel Temer jamais solicitou pagamentos para obter o silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha. Não participou e nem autorizou qualquer movimento com o objetivo de evitar delação ou colaboração com a Justiça pelo ex-parlamentar.
 
O encontro com o empresário Joesley Batista ocorreu no começo de março, no Palácio do Jaburu, mas não houve no diálogo nada que comprometesse a conduta do presidente da República.
 
O presidente defende ampla e profunda investigação para apurar todas as denúncias veiculadas pela imprensa, com a responsabilização dos eventuais envolvidos em quaisquer ilícitos que venham a ser comprovados."