Campo Grande, Terça-Feira , 17 de Outubro - 2017


Email: marcoeusebio@marcoeusebio.com.br

Posts com a tag: eduardo-cunha

Postado por Marco Eusébio , 13 Outubro 2017 às 14:45 - em: Principal

Do jornalista Ricardo Noblat (O Globo) no Twitter.




Entrevista de Eduardo Cunha à Época repercute no Twitter após postagem do editor-chefe da revista Diego Escosteguy

Postado por Marco Eusébio , 30 Setembro 2017 às 11:45 - em: Principal

Na primeira entrevista desde que foi preso há quase um ano, o ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) diz à revista Época que está negociando delação com a Procuradoria Geral da República sob comando de Rachel Dodge e afirma que não aceitou fechar acordo com Rodrigo Janot, porque o ex-chefe da PGR queria derrubar Michel Temer. E acusa o doleiro Lúcio Funaro de mentir para conseguir benefícios da delação: “Se eu conseguisse derrubar o Michel, Janot aceitava. Não topei mentir, confirmar o Joesley. O Lúcio topou". 
 



Cunha intimida empresários e políticos mesmo estado preso, disse Janot contra prisão domiciliar para o ex-deputado

Postado por Marco Eusébio , 02 Setembro 2017 às 09:00 - em: Principal

Destacando a "periculosidade" de Eduardo Cunha, Rodrigo Janot, se manifestou em parecer ao Supremo contra pedido de prisão domiciliar do ex-presidente da Câmara, condenado a 15 anos e quatro meses de prisão na Lava Jato por Sérgio Moro. A defesa alegou que outro investigado, o ex-deputado Rocha Loures, o "Homem da Mala", obteve prisão domiciliar. Janot, entretanto, afirmou que Cunha intimida empresários e políticos, mesmo preso. E rejeitou a comparação, afirmando que o ex-assessor de Temer era intermediário de esquema de corrupção, e o ex-presidente da Câmara era mandante.




Chamado de 'mosqueteiro de Temer' pelo UOL, Marun questionou pesquisas que apontam falta de apoio ao presidente

Postado por Marco Eusébio , 02 Agosto 2017 às 14:30 - em: Principal

Antes da votação da Câmara que deve decidir hoje se aceita a denúncia de Rodrigo Janot contra Michel Temer por corrupção passiva, o deputado federal Carlos Marun (PMDB-MS) desqualificou pesquisas como a do Ibope/CNI que apontou que só 5% aprovam o atual governo, rejeitado por 70%, na pior avaliação da história.
 
"Tem alguma coisa errada nessas pesquisas. Não é possível que ele tenha 95% de rejeição. Não vejo adesivo de 'Fora, Temer' nos carros por aí. As perguntas também devem estar equivocadas", afirmou Marun ao site UOL que chamou o deputado sul-mato-grossense de um dos "três mosqueteiros" de Temer. 
 
"Essa impopularidade de Temer é que nem cabelo de freira. Todo acha que existe, mas ninguém vê", acrescentou. 
 
Questionado sobre também ter apoiado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que acabou cassado, Marun afirmou:
 
– "Eu nunca falei que ele ia vencer aqui, que eu sabia que ele estava derrotado. Mas isso não foi o suficiente para que eu me transformasse em um vira-casaca. Penso que Eduardo Cunha tem serviço prestado ao país e o principal dele tem serviço prestado ao país e o principal dele foi ter tirado aquela praga [em referência a Dilma] que assolava o Palácio do Planalto no comando da nação. Ele quem comandou o processo".



Versão online da revista Veja mostra Marun voltando a defender Michel Temer contra denúncias de Joesley

Postado por Marco Eusébio , 28 Julho 2017 às 13:20 - em: Principal


Cunha mandou dizer ao sucessor Rodrigo Maia que ele 'também será lembrado' na delação premiada, diz a Veja

Postado por Marco Eusébio , 08 Julho 2017 às 11:00 - em: Principal

Além de agravar ainda mais a situação de Michel Temer e ampliar as chances de a Câmara autorizar o Supremo a abrir processo contra ele, solicitado por Rodrigo Janot, a delação premiada de Eduardo Cunha também deve atingir o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, principal cotado a assumir a Presidência da República caso o peemedebista seja afastado do cargo. A revista Veja que chega às bancas neste sábado diz que pessoas ligadas a Cunha informaram que, da prisão em Curitiba, o ex-deputado mandou um recado para Maia: "Avisa que ele também será lembrado". Conforme a revista, Maia é citado na delação como intermediário de interesses empresariais na máquina pública e destinatário de recursos de origem ilícita. "Rodrigo Maia entrou para o caderno de inimigos de Eduardo Cunha durante o processo que resultou na cassação do peedemebista – ele considerou que o colega nada fez para ajudá-lo", diz a Veja.




Advogados de Eduardo Cunha avisaram Procuradoria-Geral da República que o ex-deputado fará delação

Postado por Marco Eusébio , 01 Julho 2017 às 20:00 - em: Principal

Por Gabriel Mascarenhas no blog Radar da Veja:
 
"A defesa de Eduardo Cunha avisou à PGR que ele, enfim, vai delatar. Os advogados saíram da reunião com os procuradores dizendo que agora começarão a colher as informações que o ex-deputado tem para entregar."



Cunha e a carta escrita à mão desmentindo declarações de Joesley sobre sua relação com Lula

Postado por Marco Eusébio , 20 Junho 2017 às 10:15 - em: Principal

Eduardo Cunha diz que Joesley Batista, da JBS, mentiu sobre sua relação com Lula em entrevista à revista Época e prometeu pedir ao Supremo a anulação da delação do dono da JBS.  Em carta escrita à mão, no presídio em Curitiba, o ex-presidente da Câmara afirma:
 
"Ele [Joesley] fala que só encontrou o ex-presidente Lula por duas vezes, em 2006 e 2013. Mentira! Ele apenas se esqueceu que promoveu um encontro que durou horas, no dia 26 de março de 2016, Sábado de Aleluia, na sua residência [...] entre eu, ele e Lula, a pedido de Lula, a fim de discutir o processo de impeachment, ocorrido em 17 de abril, onde pude constatar a relação entre eles e os constantes encontros que eles mantinham". 
 
Na carta, o ex-deputado diz que o encontro de Joesley, Lula e ele pode ser comprovado pelos seguranças que o acompanharam e classifica o empresário da JBS como "perigoso marginal" que mente "para obter benefícios para os seus crimes".
 
Cunha também diz estranhar que Joesley ataca o governo Temer, sendo o maior beneficiário das medidas do atual governo:
 
"É estranho que mesmo atacando o governo, ele seja o maior beneficiário de medidas do governo, tais como a MP 783 do Refis, onde ele, como o maior devedor da Previdência no país, vai poder pagar os bilhões que deve em 15 anos, com descontos e ainda usando créditos podres e duvidosos, inclusive de terceiros", exemplificou.



Eduardo Cunha e o presidente Michel Temer, herdeiro de sua 'tropa de choque' na Câmara

Postado por Marco Eusébio , 16 Junho 2017 às 19:00 - em: Principal

"Carlos Marun, Darcísio Perondi, Fausto Pinato, André Moura... eis que os mais entusiasmados da tropa de choque de Michel Temer são os mesmos que restaram a Eduardo Cunha na reta final." (Do blog do Lauro Jardim em O Globo)




Cunha é um dos principais alvos da operação baseada em denúncias feitas por Delcídio

Postado por Marco Eusébio , 08 Junho 2017 às 11:00 - em: Principal

Com base em inquérito oriundo de delação do ex-senador Delcídio Amaral (MS) na Lava Jato, policiais civis da Delegacia Fazendária (Delfaz) do Rio de Janeiro deflagraram na manhã de hoje a "Operação Barão Gatuno" contra envolvidos em crimes de corrupção e lavagem de dinheiro no estado do Rio. Em depoimentos, Delcídio falou sobre a ligação da atual diretoria de Furnas com o ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e a relação do ex-deputado com o operador financeiro Lúcio Funaro. 
 
Cunha foi responsável por alterar a legislação do setor energético em 2007 e 2008 para beneficiar seus interesses e de Funaro, com a relatoria de medidas provisórias (396/2007 e 450/2008) que favoreceram a empresa Serra da Carioca II, na época em que um indicado do deputado carioca ocupava a presidência da subsidiária. "A atuação de Cunha teria permitido que Furnas comprasse, em 2008, as ações da Serra da Carioca II, que era sócia da estatal, em um consórcio para construção da Usina Hidrelétrica Serra do Facão, em Goiás. Em auditoria, a Controladoria Geral da União apurou vantagens para a empresa que não eram usualmente verificadas em negociações do mercado privado", diz o Estadão de S.Paulo.
 
Embora seja um desdobramento da Lava Jato, A investigação foi remetida para o primeira instância estadual do Rio, porque Cunha e outros suspeitos não têm prerrogativa de foro.