Campo Grande, Terça-Feira , 20 de Fevereiro - 2018


Email: marcoeusebio@marcoeusebio.com.br

Posts com a tag: ditadura

Ao se anunciar agora pré-candidato, Collor (como Lula) revela o avesso 1989, quando derrotou o petista com a força do debate na TV Globo

Postado por Marco Eusébio , 20 Janeiro 2018 às 09:00 - em: Principal

No estilo "se ele pode, porque elle não pode?", Fernando Collor de Mello se anunciou pré-candidato à Presidência da República neste ano, assim como faz  (faz tempo) Luiz Inácio Lula da Silva. As pré-candidaturas dos protagonistas do histórico segundo turno das primeiras eleições diretas pós-ditadura, em 1989, fazem 2018 parecer um remaque frustrante da história.
 
Digamos que seja um remaque às avessas.
 
Afinal, hoje, nenhum dos dois consegue enganar tanta gente ao mesmo tempo e por tanto tempo. Ambos são alvos de operações da Polícia Federal. Collor (ainda) réu. Lula condenado. Coisas inimagináveis com "seres intocáveis" da política há 29 anos, embora alguns malandros digam o contrário e alguns (digamos) mal informados acreditem em tal lorota. 
 
Além da ignorância do eleitor em relação às boas intenções pregadas pelos candidatos daquela época (e sobre 'otras cositas mas')  muita coisa mudou de 1989 para cá, embora, na política, as práticas continuem semelhantes.
 
O que não mudou desde quando Lula e Collor se enfrentaram foi que desde aquela época, quando ainda existia Leonel Brizola, não surgiu nenhuma liderança com verve ou carisma capaz de encantar o eleitorado.
 
Ou seja, gostem ou não, ninguém pode negar que, de lá para cá, Lula continua sendo o mais carismático líder político do País. É isso o que o faz, embora condenado, respeitado e temido por adversários. E não as bravatas da Gleisi ou de outros de seus companheiros, como algum incauto possa imaginar. 
 
Somando todas as demais eleições presidenciais, o único (longe de ter esse carisma) que surgiu com algum dom para atrair eleitores, independente de partidos, tem sido, para a lamentável carência de opções do eleitorado, Jair Bolsonaro. Goste você, ou não, caro (e carente) eleitor.



Governo de Evo Morales quer censurar a evangelização e imprensa e trata liberdade de expressão como 'concessão de Estado'

Postado por Marco Eusébio , 16 Janeiro 2018 às 19:00 - em: Principal

Lideranças religiosas que atuam na Bolívia e em Corumbá estão denunciando a tentativa do presidente Evo Morales de criminalizar a evangelização. O Novo Código do Sistema Criminal boliviano, no artigo 88 em seu 12º parágrafo caracteriza como crime "o recrutamento de pessoas para participação em organizações religiosas ou de culto" e preve prisão que prevê prisão de sete a doze anos, o que preocupa lideranças católicas e evangélicas. Advogados e jornalistas denunciam que o novo código também acaba com a liberdade de imprensa nos artigos 309, 310 e 311, que tratam de “injúria e difamação”. Na prática, preveem prisão para quem fizer denúncias contra o governo e políticos. O governo boliviano argumenta que liberdade de expressão (seja religiosa ou na imprensa) é uma "concessão de Estado", pensamento típico das ditaduras, que aproxima mais ainda a Bolívia da Venezuela. Veja o vídeo em que pastores da Assembleia de Deus em Corumbá e da Bolívia falam sobre o assunto.




Postado por Marco Eusébio , 16 Janeiro 2018 às 18:42 - em: Papo de Arquibancada

Lideranças religiosas que atuam na Bolívia e em Corumbá estão denunciando a tentativa do presidente Evo Morales de criminalizar a evangelização. O Novo Código do Sistema Criminal boliviano, no artigo 88, preocupa bispos católicos e pastores de diferentes igrejas evangélicas, que prevê com prisão de sete a doze anos e no seu 12º parágrafo caracteriza como crime "o recrutamento de pessoas para participação em organizações religiosas ou de culto". Evangélicos, advogados e jornalistas denunciam que o novo código também acaba com a liberdade de imprensa nos artigos 309, 310 e 311, que tratam de “injúria e difamação”. Na prática, preveem prisão para quem fizer denúncias contra o governo e políticos. O governo boliviano argumenta que liberdade de expressão (seja religiosa ou na imprensa) é uma "concessão de Estado", pensamento típico das ditaduras, que aproxima mais ainda a Bolívia da Venezuela. Veja o vídeo em que aparece o pastor João Martins, presidente das Assembleias de Deus em Corumbá e pastores que atuam na Bolívia postado nesta semana na internet.




Trump, por meio da Casa Branca, diz que aceita conversar com Maduro, só se a democracia for restaurada na Venezuela

Postado por Marco Eusébio , 12 Agosto 2017 às 14:00 - em: Principal

Donald Trump declarou que não descarta uma "opção militar" para restaurar a democracia na Venezuela. "A Venezuela não é muito longe, e as pessoas estão sofrendo e morrendo", disse Trump. A declaração é manchete de hoje dos três principais jornais do Brasil. Apoiado pela chamada "esquerda" latino-americana, coisa que inclui no Brasil dirigentes do PT e siglas agregadas como o PCdoB, e o presidente boliviano Evo Morales, o ditador Nícolas Maduro havia dito na quarta-feira que iria pedir um telefonema ou encontro com Trump. Em resposta, a Casa Branca disse na noite anterior que "Trump ficará feliz em conversar com o líder da Venezuela... assim que a democracia seja restaurada no país".




Rubens Valente lança seu novo livro hoje em Campo Grande

Postado por Marco Eusébio , 28 Abril 2017 às 17:30 - em: Principal

Nascido em Goioerê (PR), criado em Dourados (MS) e formado pela UFMS, o jornalista Rubens Valente, repórter da sucursal da Folha de S.Paulo em Brasília, está em Campo Grande para lançar nesta sexta-feira seu mais novo livro, "Os Fuzis e as Flechas – História de sangue e resistência indígena na ditadura" (Companhia das Letras). A obra revela a história da política genocida praticada durante a ditadura militar (1964-1985) e executada por agentes do Serviço de Proteção ao Índio (SPI) e, posteriormente, da Funai. Promovido pelo Sindicato dos Jornalistas Profissionais (Sindjor-MS) em parceria com o curso de Jornalismo da UFMS, o evento acontece a partir da 20 horas no auditório do curso de Arquitetura da Universidade Federal com entrada gratuita.