Campo Grande, Sábado , 18 de Novembro - 2017


Email: marcoeusebio@marcoeusebio.com.br

Posts com a tag: delcidio

Postado por Marco Eusébio , 13 Outubro 2017 às 14:45 - em: Principal

Do jornalista Ricardo Noblat (O Globo) no Twitter.




Para Delcídio, sob o efeito do 'eu sou você amanhã' a maioria dos senadores devem salvar Aécio Neves

Postado por Marco Eusébio , 29 Setembro 2017 às 14:00 - em: Principal


Thais Helena e Biffi de saída do PT: ligação com Delcídio seria a principal causa do rompimento com Zeca e a cúpula nacional

Postado por Marco Eusébio , 15 Setembro 2017 às 09:00 - em: Principal


Lula em depoimento hoje em Curitiba: 'O Delcídio foi solto num pacto entre o Miller e a Globo pra fazer denúncia contra mim'

Postado por Marco Eusébio , 13 Setembro 2017 às 18:00 - em: Principal

No segundo depoimento de Lula ao juiz Sérgio Moro, prestado hoje em Curitiba, sobrou para Delcídio do Amaral (MS). O ex-presidente disse que o ex-senador teria sido solto num pacto do ex-procurador Marcelo Miller e a Globo contra ele. "Eu, por exemplo, ví o Ministério Público me incluir na denúncia do Delcídio. Tem mais de vinte perguntas do Delcídio comigo nesse processo. E o Delcídio é um mentiroso, descarado, que foi solto num pacto entre o Miller e a Globo pra fazer denúncia contra mim", disparou o ex-presidente. Veja o vídeo.




MPF quer que Delcídio seja condenado por ter 'mentido' sobre fatos que levaram à abertura de ação penal

Postado por Marco Eusébio , 01 Setembro 2017 às 18:30 - em: Principal

Afirmando que Delcídio do Amaral teria "mentido" na delação premiada, o Ministério Público Federal (MPF) pediu hoje à 10ª Vara da Justiça Federal de Brasília o arquivamento das denúncias contra Lula e o ex-banqueiro André Esteves, do BTG Pactual, acusados pelo ex-senador de tentar obstruir a Lava-Jato. O MPF diz não ter encontrado evidências de que Lula e Esteves cometeram o crime de obstrução e pediu à Justiça que Delcídio perca os benefícios da delação e seja condenado por ter "mentido sobre fatos que levaram à abertura de ação penal contra sete pessoas". Além de Delcídio, o MPF quer punição para o ex-advogado dele Edson Ribeiro; para o empresário José Carlos Bumlai e para o filho do pecuarista, Maurício Bumlai. As defesas de Lula e de Esteves consideraram a conclusão do MPF como "justa".




Delcídio tem condição melhor do que Machado de manter benefícios da delação, conforme colunista de O Estado de S.Paulo

Postado por Marco Eusébio , 09 Agosto 2017 às 14:00 - em: Principal

As delações de Delcídio do Amaral, do ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado e de alguns delatores ligados à Odebrecht na Lava Jato vão passar por "recall" quando a nova procuradora-geral da República Raquel Dodge assumir o cargo no lugar de Rodrigo Janot. "Os colaboradores serão chamados para esclarecer inconsistências, apresentar provas de pontos específicos e responder a contradições entre seus relatos e os de outros delatores", revela Vera Magalhães em sua coluna na edição de hoje do Estadão de S.Paulo. 
 
Sobre uma delação que será anulada, conforme antecipou Janot em entrevista nesta semana, a jornalista explica que não é a colaboração do sul-mato-grossense. "Trata-se de um delator menos 'visado', segundo investigadores, e que mentiu deliberadamente em depoimentos. O nome é mantido em segredo porque a anulação ensejará outras medidas, como buscas e prisões", informa.
 
Vera Magalhães diz que as delações de Delcídio e de Machado têm o mesmo tipo de problemas: "não oferecem provas de conversas, fatos pretéritos e de como políticos do PT e do PMDB teria obstruído a Justiça". A jornalista esclarece, entretanto, que que Delcídio tem condição melhor do que Machado de manter os benefícios da delação, que, como reconhecem investigadores, "foi corroborada por assessores e colaboradores da Odebrecht".



Delcídio em depoimento à força-tarefa da Lava Jato: se PGR romper acordo, ex-senador manterá benefícios

Postado por Marco Eusébio , 07 Agosto 2017 às 17:45 - em: Principal

Procuradores da Lava Jato cogitam reavaliar o acordo de delação que livrou Delcídio do Amaral da prisão, diz hoje O Globo. O motivo, conforme o jornal, seria que as acusações feitas pelo ex-senador de MS contra Michel Temer, Lula, Dilma e Aécio Neves, entre outros, não teriam surtido efeito para as investigações deslancharem. "Alguns acordos não estão evoluindo bem. O do Delcídio é um deles. As investigações não avançam nem na primeira instância. Talvez alguns ajustes tenham que ser feito nesses acordos", disse ao O Globo fonte ligada ao caso. O jornal diz que Delcídio pode perder benefícios. Vale lembrar, entretanto, que fonte jurídica ouvida pelo Blog a respeito de notícia semelhante divulgada pela Veja no início do mês passado, explicou que o delador só perderia seus benefícios caso ele rompa o acordo. Se esse rompimento for feito pela PGR, Delcídio terá seus direitos assegurados conforme está escrito no próprio documento firmado com o Ministério Público. Veja aqui.




Para procurador não há provas de que Lula tenha convocado reunião para barrar Lava Jato, conforme disse Delcídio

Postado por Marco Eusébio , 11 Julho 2017 às 17:00 - em: Principal

O Ministério Público Federal (MPF) pediu hoje (11) à Justiça que seja arquivada a investigação interna para apurar suposta tentativa do ex-presidente Lula de obstruir a Lava Jato, aberta com base na delação premiada do ex-senador Delcídio do Amaral. No pedido, o procurador Ivan Marx sustenta que não há provas da "existência de real tentativa de embaraço às investigações". Para Marx, Delcídio usou o nome de Lula para fechar acordo de delação com a Procuradoria-Geral da República (PGR). O sul-mato-grossense disse que teria participado de uma reunião convocada por Lula, em 2015, com os senadores Renan Calheiros (PMDB-AL) e Edison Lobão (PMDB-MA), para traçar estratégias para barrar as investigações da Lava Jato. Para o procurador, não foram encontradas provas da suposta reunião, mesmo após a oitiva dos senadores que teriam participado dela. O arquivamento ou não do inquérito será decidido pelo juiz Ricardo Leite, da 10ª Vara Federal de Brasília.




Delcídio e a delação que diz: se MPF ou Justiça quebrar o acordo, colaborador mantém benefícios das provas produzidas

Postado por Marco Eusébio , 08 Julho 2017 às 19:30 - em: Principal

Sobre possível risco de anulação da delação de Delcídio do Amaral com a troca de comando na PRG divulgada pelo blog Radar da Veja citada aqui hoje, fonte jurídica deste Blog explica: caso isso ocorra, não prejudicará o ex-senador. O acordo só pode ser anulado em dois casos: quebra de contrato por parte do colaborador ou da Procuradoria. Na hipótese ventilada, se houver quebra de acordo seria por parte PGR, por conta de, supostamente, o ex-procurador Marcelo Miller – que deixou a PGR e passou a advogar sem cumprir quarentena – ter "orientado" colaboradores a fazer as gravações: Bernardo Cerveró, Sérgio Machado e os executivos da JBS. O próprio Rodrigo Janot disse ontem, em entrevista ao Roberto D'ávila, que, se um procurador orientar um colaborador a fazer uma gravação, a colaboração se torna nula. No caso de Delcídio, se for anulada por quebra de acordo do outro lado, o ex-senador manterá a integridade dos benefícios da delação sem o ônus das imputações.




Sede do Instituto Lula em São Paulo: atividades liberadas por desembargador do TRF1

Postado por Marco Eusébio , 17 Maio 2017 às 09:00 - em: Principal

O desembargador Néviton Guedes, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1), determinou a volta imediata das atividades do Instituto Lula em liminar expedida na noite anterior, o magistrado afirmou que não havia necessidade de se impedir o instituto de funcionar, ainda que a medida tenha sido implementada pela primeira instância como alternativa à prisão processual. A suspensão das atividades da entidade foi determinada no dia 9 pelo juiz federal Ricardo Soares Leite, da 10ª Vara Federal de Brasília que, também em liminar, afirmou que o Instituto Lula "pode ter sido instrumento, ou pelo menos local", de encontro para cometimento de "vários ilícitos criminais".

A decisão da suspensão foi tomada na ação penal sobre suposto crime de obstrução no caso em que o ex-senador Delcídio do Amaral (MS) aparece numa gravação oferecendo dinheiro ao ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa para não ser mencionado em sua delação premiada. Delcídio disse, em sua delação, que agiu a mando do ex-presidente Lula. Para o desembargador Néviton, entretanto, não há qualquer fato novo nem relação entre o objeto da ação e a suspensão das atividades do Instituto Lula, que nem é parte no processo. (Com ConJur)