Campo Grande, Domingo , 19 de Novembro - 2017


Email: marcoeusebio@marcoeusebio.com.br

Posts com a tag: aposentadoria

Agora aposentado, o juiz Odilon de Oliveira informou que escolta da Polícia Federal será mantida com autorização do CNJ

Postado por Marco Eusébio , 05 Outubro 2017 às 13:20 - em: Principal

Faltando pouco mais de um ano para as eleições de 2018, saiu a aposentadoria, a pedido, do juiz federal Odilon de Oliveira, publicada hoje no Diário Eletrônico da Justiça Federal da 3ª Região. "Requeri em caráter de urgência devido ao prazo de filiação partidária. Fiz o requerimento no dia 26, pedindo que fosse publicado até amanhã", disse o juiz ao site Campo Grande News. Com convites para disputar a sucessão do governador Azambuja ou uma vaga no Senado por partidos como o PDT (presidido por seu filho, o vereador Odilon Júnior, em Campo Grande), o magistrado manteve o suspense. "Não posso fazer comentário público sobre, depende de conversa com várias lideranças que me procuraram", respondeu ao site. Sobre sua segurança pessoal, a escolta da Polícia Federal continuará por tempo indeterminado por decisão do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), informou Odilon que hoje ainda cumpre expediente. "Tenho audiências à tarde toda neste último dia", afirmou o juiz aqui ao Blog.




De Brasília, por telefone, Geraldo disse ao Blog que optou pela aposentadoria de médico em vez da parlamentar

Postado por Marco Eusébio , 17 Agosto 2017 às 16:45 - em: Principal

O deputado federal Geraldo Resende (PSDB-MS) agora é médico aposentado, aos 62 anos de idade, pelo serviço público estadual de Mato Grosso do Sul, com salário integral, conforme decreto do governador Reinaldo Azambuja publicado nesta semana no Diário Oficial. Questionado sobre críticas que circulam na internet sobre integrar a base de Michel Temer, cuja proposta da Reforma da Previdência original prevê 65 anos de idade e 49 de contribuição para aposentadoria integral, Geraldo respondeu hoje aqui ao Blog que poderia ter optado pela aposentadoria de deputado, cujo valor é três vezes maior do que os cerca de R$ 10 mil mensais que receberá como médico aposentado, mas preferiu se aposentar como servidor do Estado. E frisou que sua aposentadoria está dentro da lei. 
 
"Se somar os mandatos de vereador por Dourados, de deputado estadual e aqui no Congresso, eu já teria tempo para me aposentar quase que com o salário integral de um deputado federal (cerca de R$ 33 mil atuais). Como médico, atuei mais de 20 anos em postos de saúde na periferia e na zona rural de Dourados e conciliei o trabalho com meus mandados de vereador e de deputado estadual, atendendo quem estivesse na fila, quase sempre extrapolando o horário. Continuei pagando a previdência estadual (Ageprev) e abri mão da aposentadoria parlamentar", afirmou, por telefone, de Brasília, o deputado, informando que depois de se eleger federal pediu licença não-remunerada da atividade de médico.
 
Geraldo Resende lamentou críticas na internet dizendo que ele votou a favor da Reforma da Previdência. "A reforma nem foi votada ainda. As pessoas se acostumaram a criticar o político apenas por criticar, sem se informar. Mesmo votando, minha aposentadoria está dentro de todos os critérios, seja na atual legislação, seja na prevista pela reforma para me aposentar com proventos integrais, pois estarei na regra de transição 35 anos de trabalho e 62 anos de idade" disse o deputado, que também mandou uma mensagem de voz via WhatsApp. Ouça abaixo.




Excesso de aposentadorias poderá provocar enorme pressão sobre gastos com a Previdência em 10 anos, conforme o Ipea

Postado por Marco Eusébio , 04 Agosto 2017 às 19:00 - em: Principal

Um terço dos funcionários públicos federais do País já completou 50 anos e deve atingir a idade mínima necessária para se aposentar na próxima década. O contingente que chega a quase dois milhões de pessoas deve provocar enorme pressão sobre os gastos com a Previdência, conforme nota técnica do Ipea. Dentre os casos mais preocupantes estão os militares: mais de 40% têm de 41 a 50 anos, e se aposentam cada vez mais cedo. A situação também tende a se agravar nos Estados. (Com O Globo)




Sarney que virou senador pelo Amapá com aposentadoria tríplice do Maranhão

Postado por Marco Eusébio , 19 Abril 2017 às 17:00 - em: Principal

Enquanto  brasileiros aguardam com apreensão o desenrolar da reforma da Previdência, o ex-presidente da República e do Senado José Sarney (PMDB) trava uma batalha judicial para manter sua tripla aposentadoria, que lhe garante uma renda de R$ 73 mil por mês, mais do que o dobro do teto constitucional para servidor público no País, o salário de um ministro do Supremo, hoje fixado em R$ 33,7 mil. Sarney foi condenado pela Justiça Federal em Brasília a devolver aos cofres públicos tudo o que recebeu acima desse teto desde 2005 e está recorrendo contra a decisão. O montante anterior não foi cobrado por ter prescrito – ou seja, o Estado perdeu o prazo para reivindicá-lo. O maranhense acumula uma pensão no valor de R$ 30.471,11 mil como ex-governador do Maranhão, outra de R$ 14.278,69  mil como servidor aposentado do Tribunal de Justiça daquele Estado e mais R$ 29.036,18 mil como ex-senador. Leia mais aqui no Congresso em Foco.
 



Arthur Maia, relator, e Marun, presidente da comissão da reforma da Previdência

Postado por Marco Eusébio , 15 Abril 2017 às 13:30 - em: Principal

A necessidade de 49 anos de contribuição para que o trabalhador consiga o valor máximo de sua aposentadoria, não estará presente na proposta de reforma da Previdência em trâmite na Câmara. A afirmação foi feita pelo presidente da comissão que analisa a matéria na Casa, Carlos Marun (PMDB-MS). "O relator está analisando várias alternativas, fazendo as últimas contas", disse o deputado ao site UOL antes do feriado. O mais provável esse tempo de contribuição seja fixado em 40 anos. O teto atual das aposentadorias do INSS é de R$ 5.531. A alternativa avaliada pelo relator Arthur Maia (PPS-BA), conforme a agência Reuters, é que o ponto de partida de cálculo de aposentadoria – mínimo que o aposentado receberia – previsto para 51%, passaria a 60%. Como com cada ano a mais de contribuição o trabalhador ganha um ponto percentual, seriam necessários 40 anos para chegar a 100%.
 



O relator Arthur Maia e Marun, presidente da comissão

Postado por Marco Eusébio , 13 Abril 2017 às 16:00 - em: Principal