Campo Grande, Sábado , 27 de Maio - 2017


Email: marcoeusebio@marcoeusebio.com.br
O Globo frisa: Temer isolado

Postado por Marco Eusébio , 25 Maio 2017 às 09:00 - em: Principal

Se havia alguma dúvida, as manchetes abaixo deixam claro. Praticamente todos os jornais das várias regiões brasileiras destacam o vandalismo que marcou os protestos de ontem em Brasília e a decisão de Michel Temer de convocar as Forças Armadas. Só o O Globo fez questão de frisar no título que o presidente está isolado.




Postado por Marco Eusébio , 25 Maio 2017 às 08:00 - em: Principal


Renan dispara: 'puxa-saquismo'. Moka rebate: 'mais puxa-saco que vossa excelência não conheço'

Postado por Marco Eusébio , 24 Maio 2017 às 20:00 - em: Principal

Enquanto Brasília "pegava fogo" lá fora em dia de protesto e vandalismo, no plenário do Senado Waldemir Moka (PMDB-MS) travou um bate-boca com o líder de seu partido, Renan Calheiros (PMDB-AL). O senador de MS usava a tribuna em defesa do governo, afirmando que 17 senadores foram prestar apoio a Temer para "tirar esse País do caos que nós encontramos" e dizer à sociedade "que não foi esse governo que fez isso. Que isso se acumulou ao longo de 13 anos", em referência aos governos petistas. Renan, que havia criticado o governo, tentou usar o microfone de apartes interrompendo o discurso. Moka pediu licença. Renan, entretanto, disse que ele estava alí por "puxa-saquismo". Moka, do microfone, respondeu:
 
– "Mais puxa saco do que Vossa Excelência eu não conheço."
 
Renan continuou retrucando, sem microfone, e Moka, gritando da tribuna, rebateu:
 
– "Vossa Excelência muda de lado e vem aqui para cima. Eu quero ignorar vossa excelência. Há muito tempo vossa excelência não fala pela liderança. Muito tempo".
 
Em seguida, Moka pediu ao presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), para que o tempo de sua fala, interrompido por Renan, fosse recomposto, no que foi atendido.
 
Veja abaixo o vídeo da discussão.
 




Decreto autoriza uso das Forças Armadas diante de ataques de vândalos a prédios como o do Ministério da Agricultura

Postado por Marco Eusébio , 24 Maio 2017 às 16:45 - em: Principal

Dia de caos em Brasília. Após  vandalismo e depredação de ministérios hoje por mascarados e parte dos manifestantes convocados por centrais sindicais para pedir a queda do presidente, eleições diretas, e protestar contra as reformas trabalhista e da Previdência, o presidente Michel Temer decretou "ação de garantia da lei e da ordem" a pedido do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, autorizando as Forças Armadas a reforçar a segurança na região da Esplanada dos Ministérios. Ao anunciar a medida, o ministro da Defesa, Raul Jungmann, afirmou que a manifestação prevista como pacífica "degringolou na violência, no vandalismo, no desrespeito, na agressão ao patrimônio público e na ameaça às pessoas". A decisão provocou a reação de opositores no Congresso. "Não me lembro de ter visto isso nem na ditadura militar. Não é um ato normal", afirmou o líder do PT na Câmara, Carlos Zarattini (SP), em discurso no plenário. No Rio de Janeiro também há tumulto no entorno da Assembleia Legislativa.




Caiado (DEM-GO) recuou do projeto para perdoar dívidas com o Funrural que iria beneficiar a JBS

Postado por Marco Eusébio , 24 Maio 2017 às 15:45 - em: Principal

Por Gabriel Mascarenhas no blog Radar da Veja:
 
"Ronaldo Caiado apresentou no início do mês um projeto de lei para perdoar as dívidas de produtores com o Fundo de Assistência ao Trabalhador Rural (Funrural). Estava tudo muito bem, tudo muito bom, uma vez que Caiado, ruralista de carteirinha, ia capitalizar a medida com seu eleitorado-alvo.
 
Tudo certo, até o furacão Joesley Batista virar a república do avesso. Caiado se deu conta de que, se aprovada, sua proposta beneficiaria enormemente a JBS. Ontem, para evitar as pedradas que certamente viriam em sua direção, o senador desistiu da iniciativa e retirou o projeto de tramitação.
 
Agora, ele começou a apagar o incêndio com os outros produtores, que contavam com a benesse para aliviar seus caixas."



Em blog no site da Veja, Reinaldo Azevedo anuncia que rompeu contrato com a revista

Postado por Marco Eusébio , 24 Maio 2017 às 14:30 - em: Principal

Conhecido por ácidas críticas ao PT desde o início do governo Lula, o jornalista Reinaldo Azevedo pediu demissão da revista Veja nesta semana, após o vazamento de uma conversa telefônica dele com a irmã de Aécio Neves (PSDB-MG), Andrea Neves, cujo telefone estava grampeado pela Polícia Federal na investigação contra o senador. O site "BuzzFeed" vazou o diálogo em que Azevedo chama a Veja de “nojenta” por uma reportagem de capa sobre pagamento de propina a Aécio em Nova Iorque, em uma conta em nome de Andrea. Na conversa, Azevedo também diz que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, é pré-candidato ao governo de Minas Gerais.
 
O jornalista não é alvo de investigação e as gravações não têm indícios de crime, o que gerou críticas contra a Procuradoria Geral da República (PGR) e à PF de entidades de imprensa. A Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) afirmou, em nota, que vê com preocupação a violação de sigilo de fonte pela PGR. "A Lei 9.296/1996, que regula o uso de interceptações telefônicas em processos, é clara: a gravação que não interesse à produção de provas em processo deve ser destruída. O próprio Ministério Público, aliás, é que deveria cuidar para que isso aconteça", diz o comunicado. Nas redes sociais, jornalistas e políticos, inclusive desafetos de Azevedo, criticaram o vazamento.
 
 
O colunista Flávio Ricco, do portal UOL, divulgou que Reinaldo Azevedo também vai deixar a rádio Jovem Pan, de São Paulo, onde apresentava o programa "Pingos nos Is", mas continuará o seu trabalho de comentarista no "Rede TV! News".



Viatura da Polícia Federal em frente a casa do ex-prefeito Léo Matos em Campo Grande

Postado por Marco Eusébio , 24 Maio 2017 às 13:20 - em: Principal

Alvo da segunda fase da Operação Tarja Preta deflagrada hoje da Polícia Federal, que investiga suposto esquema de desvio de medicamentos da Prefeitura de Naviraí para venda em farmácias da região, o ex-prefeito da cidade, Léo Matos, afirma que "não deve nada" à Justiça e que espera a apuração dos fatos para que seja provada sua inocência. Pela manhã, agentes federais cumpriram mandados de busca e apreensão na casa de Léo Matos em Campo Grande, onde desde o início do ano ele atua como assessor especial da Prefeitura da Capital, nomeado pelo novo prefeito Marquinhos Trad (ambos do PSD). Farmácias de Naviraí e de Caarapó e a residência de outro investigado, cujo nome não foi divulgado, também foram alvo das buscas.

Consultado, Léo Matos disse aqui ao Blog que a investigação se refere "a uma foto divulgada em um grupo de WhatsApp" do antiviral Tamiflu, indicado contra gripe H1N1, à venda em uma farmácia no Paraguai, no ano passado, quando Naviraí registrou sete óbitos pela doença. "A cidade eatava desesperada. Todos buscavam vancinas em outras cidades, estados e até no Paraguai. Essas fotos nao foram tiradas por mim e hoje tentam imputar um crime a mim", afirmou Matos.




Olarte entra para a história do TJMS como primeiro ex-prefeito da Capital condenado por corrupção

Postado por Marco Eusébio , 24 Maio 2017 às 12:00 - em: Principal

Gilmar Olarte, vice-prefeito que comandou a Prefeitura de Campo Grande com o afastamento do titular Alcides Bernal (PP) pela Câmara dos Vereadores, foi condenado  a oito anos e quatro meses de prisão, inicialmente em regime fechado, por crimes de corrupção e lavagem de dinheiro; mais pagamento de multa. A decisão, unânime, foi tomada hoje de manhã pela recém criada Seção Especial Criminal do Tribunal de Justiça que entra para a história do TJMS com a primeira condenação de um ex-prefeito da Capital de MS por corrupção.
 
Pastor, Olarte foi acusado pelo Ministério Público na Operação Adna de usar cheques em branco de fieis da igreja Assembleia de Deus Nova Aliança (Adna) fundada por ele e que deu nome à operação, para trocar com agiotas e usar na suposta compra de votos de vereadores para cassar o prefeito Bernal e assumir o cargo. A ordem de prisão deve ser expedida assim que o decisão for publicada em Diário Oficial.
 
"A realidade é que as condutas criminosas efetivamente aconteceram e foram provadas", disse, em seu voto, seguido pelos colegas, o desembargador relator Luiz Claudio Bonassini da Silva. Também foram condenados no caso dois ex-auxiliares de Olarte no esquema: Ronan Feitosa, a quatro anos e seis meses (que está preso há sete meses) e deverá cumprir a pena em regime semiaberto; e Luís Márcio dos Santos Feliciano, a um ano de reclusão e multa.



Página do gaúcho Sandro Sanfelice continua a divulgar 'memes' de Temer depois de ser notificada

Postado por Marco Eusébio , 24 Maio 2017 às 11:00 - em: Principal

Parece piada que rola na internet, mas é... verdade. O Departamento de Produção e Divulgação de Imagem do Palácio do Planalto está notificando páginas de humor nas redes sociais visando proibir que fotos oficiais de Michel Temer divulgadas pela assessoria do Planalto sejam usadas na produção de memes – montagens humorísticas que circulam na rede. Nas mensagens, o departamento avisa que imagens oficiais estão liberadas para fins jornalísticos e divulgação das ações governamentais, mas exige "autorização prévia" se for "para outras finalidades". O gaúcho Sandro Sanfelice, criador da página Capinaremos, notificada pelo Planalto, disse ao jornal porto-alegrense Zero Hora que ficou apreensivo com o comunicado, mas que, por falta de uma orientação mais incisiva do Departamento de Imagem, vai continuar produzindo e publicando as paródias com fotos do presidente.




Postado por Marco Eusébio , 24 Maio 2017 às 10:20 - em: Principal