Campo Grande, Domingo , 19 de Novembro - 2017


Email: marcoeusebio@marcoeusebio.com.br

Garimpando História

Postado por Marco Eusébio , 15 Maio 2013 às 15:57 - em: Garimpando Historia

Diz o folclore político que Carlos Lacerda (foto), da UDN, discursava na Câmara dos Deputados denunciando o contrabando quando o deputado Bonaparte de São Domingos Pinheiro Maia, do Partido Rural Trabalhista que ficou conhecido por haver tomado posse de casaca e cartola pediu um aparte:

 
– Nobre líder Carlos Frederico Werneck de Lacerda, estou ouvindo com muita atenção e interesse seu rebarbativo discurso. Cheguei à conclusão de que vossa excelência quer provar que há deputados virando contrabandistas.
 
Lacerda, famoso pela língua afiada, rapidamente respondeu:
 
– Não, deputado. É equívoco seu. O que ocorre é que há muitos contrabandistas virando deputado.
 
Era o próprio.



Postado por Marco Eusébio , 31 Março 2013 às 13:07 - em: Garimpando Historia

Um livro sobre episódios de advogados que defenderam presos políticos durante a ditadura militar está sendo elaborado pelo deputado federal paulista José Mentor (PT) neste início de 2013, que pediu colaboração ao colega Fábio Trad (PMDB-MS). O deputado sul-mato-grossense vai escrever sobre o padre francês François Jentel (chamado de Francisco Jentel, na foto à direita), que teve como advogado o pai dele, o saudoso ex-deputado Nelson Trad (juntos na foto de arquivo à esquerda), que atuou na defesa do religioso junto com o famoso jurista Heleno Fragoso, também falecido. 

 
O revelante caso aconteceu no início da década de 70 em Santa Teresinha, distrito da pequena cidade de Luciara, no antigo Mato Grosso, região do Araguaia, palco de guerrilhas no período. Na época a Companhia de Desenvolvimento do Araguaia (Codeara) incentivava ricos empresários a abrir grandes fazendas na região. 
 
Em 1972, uma empresa comprou uma grande área que incluía parte urbana e povoada do lugarejo. Para efetivar a posse, contrataram seguranças armados e reprimiram quem tentasse se opor à ocupação. O padre Jentel mobilizou trabalhadores e tentou impedir a destruição das casas, sem sucesso. Entre as moradias derrubadas, estava um ambulatório construído em mutirão organizado pelo religioso. Por liderar a revolta, o sacerdote logo foi taxado de subversivo pelos militares. 
 
Preso, foi condenado a 10 anos de prisão por uma auditoria militar do antigo Mato Grosso uno em maio de 1973, diante de um juiz civil e quatro militares que ignoraram o fato de a Codeara ter invadido terras da Igreja e dos camponeses, conforme narra o jornalista Montezuma Cruz no artigo "Ditadura expulsou padre Jentel do país". Enviado a um quartel da PM em Campo Grande, ficou preso por cerca de um ano até ser libertado, expulso do país e mandado de volta à França.



Postado por Marco Eusébio , 07 Fevereiro 2013 às 10:57 - em: Garimpando Historia

Essa quem conta é o jornalista Paulo Nonato, o Feijão, que por muitos anos foi repórter esportivo de rádio e jornal e hoje atua na assessoria do senador Delcídio do Amaral (PT-MS), em homenagem ao advogado e comentarista esportivo Marcelo Geraldo Trad (foto), que se foi aos 73 anos em janeiro deste 2013...

 
"Final de tarde de quarta-feira, dia 8 de fevereiro de 1984, no Estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro. 
 
Já no clima do confronto entre Operário Futebol Clube e Flamengo pelo Campeonato Brasileiro, eu ainda garoto e o já experiente comentarista Marcelo Trad nos revezamos na tentativa de falar com o estúdio da Rádio Educação Rural, em Campo Grande. 
 
Eu no gramado e ele na cabine do estádio. O jogo estava prestes a começar, o narrador Gilberto Pereira Guedes ainda não havia chegado ao Maracanã, e tínhamos que testar os equipamentos para a abertura da transmissão. Então, insistíamos em chamar o estúdio: 
 
– Alô Raul, Alô Raul, Alô Raul...
 
Num determinado momento, já cansado de tanto chamar pelo Raul Ratier, mas sem perder o humor, o Dr. Marcelo, como todos nós o chamávamos, disparou:
 
– “Alô Raul, Alô Raul, Alô Raul...O Guéde taí?”. 
 
A tirada fez com que déssemos uma sonora gargalhada. 
 
Quando, enfim, o Raul respondeu foi um alívio geral. 
 
Ah, o Flamengo venceu o jogo por 3 a 2 com gols de Nunes, Tita e Mozer. 
Para o Operário marcaram Lima e Marcinho. 
 
Valeu Dr. Marcelo. 
 
Que Deus o tenha em bom lugar."



Postado por Marco Eusébio , 28 Dezembro 2012 às 10:51 - em: Garimpando Historia

Além do "navio prisão" de Corumbá, outros dois casos da época da ditadura em Mato Grosso do Sul foram entregues pela coordenação do Comitê da Verdade estadual para investigação do Comitê da Memória e Verdade da Secretaria Especial de Direitos Humanos da Presidência da República, me contou o advogado Lairson Palermo (foto), da coordenação regional. 

EXPULSÃO NA FRONTEIRA Um é sobre o "Povoado de São Carlos". Versa sobre a expulsão de uma comunidade inteira de colonos na faixa de fronteira com o Paraguai nos anos de 1964 a 1975, para instalação de bases do Exército.

JORNAL O DEMOCRATA O outro é sobre "A invasão do jornal O Democrata", que funcionava à Rua Maracaju (entre Calógeras e 14 de Julho) em Campo Grande. Diz Lairson que, com o golpe militar de 1964, o jornal que divulgava apoio a João Goulart na presidência e aos movimentos estudantil, sindical e camponês, teve sua sede invadida pela Ademat, uma associação de civis e militares que apoiava o golpe. "Os funcionários foram algemados, presos, arrastados pelas ruas e as máquinas jogadas num duto chamado de ´buracão` no meio da Rua Maracaju e incendiadas", conta o advogado.




Postado por Marco Eusébio , 28 Novembro 2012 às 18:41 - em: Garimpando Historia

Em meados de 1968, durante a onda de protestos que sacudiu o regime militar, reza a lenda que o marechal Costa e Silva teria redigido de próprio punho um bilhete para o então chanceler e banqueiro Magalhães Pinto ordenando: 

 
– "Assunto: Vinicius de Moraes. Demita-se esse vagabundo". 
 
O episódio que ficou dentre os mitos da época, ilustrou a irritação do regime com o diplomata e poeta Vinícius de Moraes, não por causa da escassa assiduidade do compositor ao trabalho, mas por notórias amizades com a esquerda e uma discreta politização das letras de suas canções.
 
E aconteceu que o diplomata Vinicius foi exonerado do Itamaraty, em meio às cassações que se seguiram ao temível Ato Institucional nº 5, que dava plenos poderes ao regime. 
 
A caça às bruxas foi justificada pela ditadura como ato moralizador, visando purgar o serviço público de "corruptos, pederastas e bêbados". 
 
Marcelo Dantas conta na página "Outros Olhares", blog que versa sobre o poeta, que amigos que foram receber Vinicius no Galeão, viram-no descer do avião abatido, amargurado. Mas com uma garrafa de uísque em punho, para evitar qualquer mal-entendido sobre em qual das três opções de exonerados se encaixava, o poetinha afirmou: 
 
– "Eu sou bêbado!"



Juscelino dormindo em avião da velha Varig e em saudação no desembarque

Postado por Marco Eusébio , 03 Outubro 2012 às 16:45 - em: Garimpando Historia

Reza a lenda, confirmada em várias versões de historiadores, que Juscelino Kubitschek adorava viajar nas alturas, fosse de teco-teco, jato, helicóptero ou qualquer outra geringonça que saísse do chão. Dizem que foi voando que olhou o Planalto Central e afirmou que alí construiria Brasilia. A capital federal, inclusive, tem formato de avião. O Plano Piloto, projeto de Lúcio Costa, está desenhado em forma de pássaro no chão do cerrado. Uma história contada hoje pelo site jurídico Migalhas ilustra a fama do "presidente voador". 

 
Leia...
 
Pode descer
 
Juscelino Kubitschek era um personagem de romance. Suas histórias aéreas matavam de medo os companheiros da campanha e, depois, do governo. Para ele, avião é para voar e acabou-se. Uma noite, na campanha, ia descer no interior do RS. As luzes da cidade apagaram-se, o campo não tinha pista iluminada, o piloto quis voltar para Porto Alegre. Juscelino ordenou:
 
– Pode descer. Deus é juscelinista.
 
Desceram. Era. Outra vez, voavam sobre a Amazônia. Pegaram uma tempestade terrível. Raios, trovões. O avião pinoteando no ar, como pipa, os líderes do PSD e PTB apavorados, de olhos fechados, duros, rezavam, suavam. Juscelino sorriu :
 
– Vou dormir um pouco.
 
Ninguém acreditou. Um mais incrédulo levantou-se, foi lá atrás, puxou a cortina da pequena cabine presidencial privativa. Juscelino dormia e roncava. Outra tarde, voltava de Salvador, anoiteceu em Caravelas, mas precisava voltar ao Rio. O piloto avisou :
 
– Governador, o combustível está acabando. Pode ser que não dê para chegar ao Rio.
 
Vieira de Melo, Getúlio Moura, José Maria Alkmin, João Goulart, apavorados, queriam descer em Caravelas. JK insistiu :
 
– Vamos. Lá a gente vê se deu.
 
Deu.



Coronel Adib vereador e com seus homens [à direita] na época de delegado

Postado por Marco Eusébio , 06 Setembro 2012 às 13:06 - em: Garimpando Historia

Essa quem conta é o colega Maranhão Viegas, que foi repórter da TV Morena (afiliada Globo) e assessor de imprensa da Prefeitura de Campo Grande na gestão do falecido Lúdio Coelho. Há alguns anos morando em Brasília, o jornalista escreveu em 2010 o texto intitulado "Memórias da profissão - votos fugidios" que você lê abaixo...

 
Havia um coronel da Polícia Militar muito famoso, em Mato Grosso do Sul, Adib Massad (foto). Para ele, não tinha bandido bom. Era muito duro no combate aos criminosos, o que ajudou a construir a sua fama. Casos complicados? Chamem o Adib, ele resolve tudo. Às vezes, diziam, utilizando-se de métodos nada convencionais. Mas resolvia.
 
Enquanto esteve no comando do temido GOF – Grupo de Operações de Fronteira, reinava a segurança para uns e o temor para outros. E ele ficou lá por um longo período, ao mesmo tempo, fazendo baixar os índices de roubo, contrabando e tráfico de drogas e, com toda certeza, reduzindo o número de bandidos também. Por muitos anos, naquela faixa de Fronteira entre o Brasil e o Paraguai, o coronel foi a lei.
 
Convivi bem perto dele durante uma semana. Coronel Adib foi escalado para resolver um seqüestro que comoveu a população. Um menino de quatro ou cinco anos, Paulinho, filho de um médico muito querido, que depois viria a ser eleito prefeito da cidade de Cassilândia, passou quase sete dias nas mãos de um grupo de seqüestradores. 
 
Eu era repórter da TV Morena, afiliada da Rede Globo, e fui destacado para cobrir o caso. A comoção pelo seqüestro era tão grande que o governador à época determinou ao secretário de Segurança que transferisse a Secretaria para Cassilândia enquanto as investigações durassem. Sete dias depois de iniciada a caça aos seqüestradores, Paulinho foi solto, são e salvo e os bandidos presos. Nós, jornalistas, conhecemos melhor o coronel Adib sua fama e seus métodos.
 
Tempos mais tarde, de tão famoso na região, o coronel resolveu disputar o cargo de vereador, em Dourados. Foi uma missão difícil. Certa vez, depois de passar o dia em campanha, o coronel resolveu fechar os trabalhos fazendo uma última parada num boteco de beira de estrada, onde um grupo de homens bebia e jogava bilhar. 
 
A imagem do coronel assustava qualquer que fosse a circunstância. Tinha um olho vazado, conseqüência de um tiroteio em que só ele sobrou pra contar a história. O coronel desceu do carro e parou na porta do bar. Um frio subiu a espinha dos que estavam presente. Ele não disse nada e começou a apontar com o dedo, contando em voz alta como quem confirmasse o número de pessoas ali. Havia sete homens, contando o dono do bar. 
 
Adib deu meia volta e foi correndo em direção ao carro. Retornou com sete bonés e sete camisetas nos braços. Mas não encontrou viva alma no boteco. Não houve sequer um corajoso para esperar pela volta do coronel para descobrir o que ele queria. Vai que não fosse para distribuir brindes de campanha? 
 
Mesmo enfrentando esse tipo de dificuldade, naquele ano, o coronel Adib venceu a eleição como o vereador mais votado de Dourados.



Postado por Marco Eusébio , 11 Julho 2012 às 11:47 - em: Garimpando Historia

Uma foto do álbum de família do prefeito de Campo Grande, Nelson Trad Filho (PMDB), feita da época que não existia internet, faz sucesso no Facebook com mais de mil "curtições" de internautas. A imagem na página do alcaide, mostra Nelsinho à direita, ainda bem jovem, na missa, ao lado do pai,  o então deputado Nelson, falecido no ano passado, da mãe Terezinha, do irmão e hoje deputado estadual Marcos ao lado da ex-mulher Rosana e da irmã Tetê Trad.

Em texto junto à imagem, o prefeito externa suas reminiscências e exibe nostalgia ao exaltar a importância da família na vida de cada um...  

– "Normalmente as pessoas costumam aproveitar o domingo para ficar com a família, almoçar todos juntos, o que muitas vezes não conseguimos fazer durante a semana por causa da correria do trabalho, e na minha família não é diferente.... Aos domingos meu pai costumava levar eu e meus irmãos à missa e depois almoçávamos todos juntos. Eu me lembro com muito carinho destes momentos e compartilho com vcs uma foto minha, dos meus pais e meus irmãos na missa. Acredito que devemos valorizar nossa família, porque são eles que nos amam e nos estendem a mão sempre que precisamos(...)", escreveu.




Postado por Marco Eusébio , 03 Junho 2012 às 18:09 - em: Garimpando Historia

Outra da arte digital de Toni Lucena, em seu blog (veja mais aqui).




Sérgio Cruz, deputado e radialista na primeira metade dos anos 80

Postado por Marco Eusébio , 11 Abril 2012 às 08:00 - em: Garimpando Historia

Essa quem conta é o próprio personagem, o radialista e ex-deputado Sérgio Cruz. Também conhecido como "Pau na Mula" nas décadas de 70 e 80, tempo da foto acima, quando era deputado federal no período que antecedia as primeira eleições direta pós ditadura militar para prefeitos de capitais no Brasil, ocorridas em 1985.

Sérgio lembra...

– "Na fase de pré-campanha, eu liderava todas as pesquisas".

Tudo, graças às ondas do rádio.

Empolgado, esbanjando confiança, pensou que não tinha pra ninguém e resolveu disputar a cadeira de prefeito, na época ocupada pelo então "biônico" Lúdio Coelho. A performance do "Pau na Mula" nas pesquisas fazia inveja, embora ele estivesse afastado dos programas desde que havia sido eleito deputado ainda sintonizava o efeito das "ondas do rádio" na popularidade. Além do mais, era bom de discurso. E preocupava a concorrência.

– “Todo mundo tentou fazer acordo comigo" , recorda o personagem.

Diante de tanto favoritismo que lhe asseguravam os ouvintes, desligou os ouvidos para o assédio dos demais políticos.

– "Eu não quis saber dessa história de acordo”, confessa Sérgio.  

Na prática, entretanto, a coisa foi bem diferente. A eleição terminou com  Juvêncio César da Fonseca (PMDB) eleito prefeito com 63.565 votos. Em segundo ficou  Levy Dias (PFL) com 38.136. E o Sérgio Cruz, então filiado ao PDT, ficou em terceiro lugar.

– “Foi uma votação tão ridícula, que nem lembro mais”, diz.

Os registros da Justiça Eleitoral lembram. Sérgio Manoel da Cruz obteve 12.474 votos.

Foi bem melhor do que Euclides de Oliveira (PCB) que terminou com 3.248 votos, Jandir de Oliveira (PT) com 1.067 e Wilson Hokama (PTB) com 637. Mas muito fora de sintonia do que os ouvintes diziam aos pesquisadores antes de a campanha começar, conforme me narrou agora, mais de um quarto de século depois, já conformado e até fazendo graça ao lembrar do episódio, o atual comentarista político do programa Tribuna Livre da FM Capital.