Campo Grande, Domingo , 18 de Fevereiro - 2018


Email: marcoeusebio@marcoeusebio.com.br


Decisão do ministro Edson Fachin sobre o caso de Lula 'não é normal', diz site

Reprodução Decisão do ministro Edson Fachin sobre o caso de Lula 'não é normal', diz site
Edson Fachin, indicado por Dilma ao Supremo, é responsável por analisar recursos de Lula no STF

Postado por Marco Eusébio , 10 Fevereiro 2018 às 09:00 - em: Principal

Do site O Antagonista:
 
"Vocês lerão na imprensa tradicional análises de que Edson Fachin foi um gênio ao enviar para o plenário do STF o habeas corpus de Lula, evitando que ele caísse nas mãos da Segunda Turma.
 
E que, assim, Cármen Lúcia poderá esperar a decisão do TRF-4 de prender o ex-presidente, ganhando tempo também para que o STJ conclua a análise do outro HC, rejeitado liminarmente.
 
O problema é que essas análises tratam como normal que ministros do STF decidam politicamente.
 
A defesa de Lula, numa estratégia espúria, passou meses acusando a primeira e a segunda instâncias de agirem politicamente contra o petista. Mas agora trabalha pela atuação política da Suprema Corte.
 
O HC de Lula é juridicamente frágil, como ficou claro ao ser indeferido pelo vice-presidente do STJ, Humberto Martins. Só que ganhou, nesta semana, uma espécie de selo de qualidade do ex-ministro Sepúlveda Pertence, contratado por Lula para visitar Edson Fachin em seu gabinete.
 
O relator da Lava Jato recebeu não só os advogados do condenado, mas seus emissários políticos, como Gilberto Carvalho, o “seminarista” das planilhas da Odebrecht.
 
Concluir que Fachin fez tudo certo significa também admitir que Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski e Dias Toffoli estariam completamente livres para reverter o entendimento do plenário, de repercussão geral, sobre prisões após condenação em segunda instância –e que o Ministério Público não poderia recorrer dessa decisão ao próprio plenário.
 
Significa admitir ainda que os três ministros estariam completamente livres para rasgar a Súmula 691, que proíbe a supressão de instâncias.
 
Aliás, na sua decisão de jogar o mérito do HC para o plenário do Supremo, Fachin esvaziou o papel do STJ na análise de outro recurso idêntico e ainda legitimou a chicana contra a repercussão geral da prisão de condenados em segunda instância. Que Justiça é essa que reescreve a jurisprudência dependendo de quem seja o réu?
 
O Antagonista se recusa a achar isso normal."



Deixe seu comentário